Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Fundo Cerberus quer investir US$ 2 bilhões na Oi

Conhecido por atuar em empresas em dificuldades, fundo americano entra na disputa pela operadora que está em recuperação judicial

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2016 | 05h00

O fundo americano Cerberus, especializado em empresas com problemas financeiros, está disposto a investir US$ 2 bilhões na operadora de telefonia Oi, apurou o ‘Estado’. A companhia, que está em recuperação judicial e tem dívidas de R$ 65,4 bilhões, tem sido alvo de investidores interessados em assumir a gestão da operadora.

O Cerberus considera que esse investimento é necessário para viabilizar uma recuperação da tele, que ganharia nova administração. O fundo, que tem como parceiro no Brasil o especialista em reestruturação de empresas Ricardo Knoepfelmacher, da RK Partners, entraria com recursos. Já Ricardo K. – como especialista em recuperação de negócios é conhecido – participaria da reestruturação da companhia.

A lista de possíveis investidores da Oi é grande. De acordo com declarações feitas pelo presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, na semana passada, a agência já teria recebido seis propostas de interessados em participar da reestruturação da companhia. Entre esses interessados estão o bilionário egípcio Naguib Sawiris, que tem negócios na área de telecomunicações na África e na Ásia, e um outro fundo americano, o Elliott.

Apesar de ter ouvido várias propostas, o presidente da Anatel disse, na terça-feira, acreditar que só uma mudança das regras do setor de telefonia no País permitiria que um investimento na Oi se concretizasse.

Experiência. Conhecido por assumir empresas em situação financeira delicada, Ricardo K. atua hoje na Bombril e na incorporadora imobiliária PDG, que corre o risco de entrar em recuperação judicial. Anteriormente, ele participou da reestruturação do Grupo X, do empresário Eike Batista, e da Brasil Telecom, operadora que acabou fundida à Oi.

O projeto do Cerberus incluiria também o aporte de recursos de outros fundos para a reestruturação do negócio e conversão de parte da dívida em ações.

Procurados, Cerberus e Ricardo K. não quiseram comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.