Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

Fundo de Tanure quer mudar conselho da Oi

Société Mondiale detém 6,6% da operadora e quer destituir membrosindicados pela acionistaportuguesa Pharol SGPS

O Estado de S.Paulo

08 Julho 2016 | 21h50

O fundo Société Mondiale, que tem como cotista o empresário Nelson Tanure, cobrou da companhia em recuperação judicial Oi a convocação de uma assembleia de acionistas para substituir os membros portugueses do conselho de administração.

O Société Mondiale, gerido pela administradora de recursos Bridge Trust, tem Tanure como principal investidor, segundo fontes. Uma das fontes disse que Tanure, com histórico de negócios envolvendo companhias em dificuldades, é o principal cotista.

O fundo, que tem 6,6% da empresa, quer que a Oi convoque a assembleia extraordinária de acionistas em oito dias, caso contrário fará a convocação diretamente.

O fundo propõe a destituição dos membros titulares Rafael Luís Mora Funes, João Manuel Pisco de Castro, Luís Maria Viana Palha da Silva, André Cardoso de Menezes Navarro e Pedro Zañartu Gubert Morais Leitão, além de seus suplentes.

Todos eles foram indicados ao Conselho da Oi pela Pharol SGPS, antiga Portugal Telecom, que protagonizou uma fracassada fusão com empresa brasileira de telecomunicações. A Pharol detém mais de 22% da Oi. O fundo também quer destituir Marcos Grodetzky, que foi diretor financeiro da Oi.

Mudanças. O Société Mondiale indicou para o lugar dos que busca destituir e para posições vagas no Conselho da Oi o ex-ministro das Comunicações Helio Costa, além de Demian Fiocca, José Vicente Santos, João Manuel Pinho de Mello, Pedro Grossi Junior, Leo Julian Simpson, Jonathan Dann e Marcelo Itagiba.

Representantes de Tanure não quiseram fazer comentários sobre o assunto. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.