Fundos de pensão miram renda variável no exterior

A primeira experiência de aplicação conjunta dos fundos de pensão no exterior vai mirar o mercado de renda variável, com um aporte entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões. A informação foi dada nesta segunda-feira, 9, por Carlos Massaru Takahashi, presidente da BB DTVM, instituição escolhida para ser a administradora local dos fundos. No alvo, ações de empresas em segmentos com pouca representatividade na BM&FBovespa, como saúde, tecnologia de informação, química e consumo.

MÔNICA CIARELLI, Agencia Estado

09 de setembro de 2013 | 21h44

O executivo considera positivo o interesse das fundações em buscar diversificar seu portfólio, com aplicações no exterior. Takahashi enxerga boas oportunidades para os fundos por conta dos sinais de recuperação da economia norte-americana. "Existe uma perspectiva de crescimento", avaliou.

O presidente da BB DTVM participou do 34º Congresso Nacional de Fundos de Pensão, promovido pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), na capital catarinense.

Tudo o que sabemos sobre:
fundos de pensãoexterior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.