Fundos se movimentam para fazer oferta pela Qualicorp

Americano Carlyle, em parceria com o GIC, de Cingapura, estaria de olho no ativo, assim como o CVC, também dos EUA

Fernando Scheller e Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2016 | 05h00

Fundos de investimentos estão se movimentando com o objetivo de comprar a Qualicorp, empresa que administra benefícios e planos de saúde. Os fundos Carlyle, dos Estados Unidos, e o GIC, de Cingapura, sócios da rede de hospitais D’Or, estariam em conversas para comprar a companhia, segundo fontes próximas ao negócio. Outra gigante interessada na empresa seria a também americana CVC, que está à procura de negócios no País.

Com receita líquida de R$ 1,6 bilhão no ano passado, a Qualicorp encerrou 2015 com carteira de 5,1 milhões de beneficiários. Pessoas próximas ao grupo, fundado pelo empresário José Seripieri Junior, confirmam que a companhia de saúde está sendo sondada por fundos de investimentos, mas dizem que ela não estaria à venda.

Na semana passada, a revista Exame informou que Seripieri Junior recebeu diversos fundos de investimentos nos últimos dias para conversar sobre uma possível venda do negócio. Procurados, a Qualicorp e os fundos Carlyle e CVC não comentaram. O GIC não retornou os pedidos de entrevista.

O fundo Carlyle é um velho conhecido da Qualicorp. O fundo entrou como acionista na companhia em 2010 e vendeu sua participação em 2012, após a abertura de capital. O fundo teria registrado cerca de R$ 1 bilhão de lucro no negócio, que seria considerado seu melhor investimento no Brasil. O Carlyle já adquiriu no País negócios como TokStok, Ri Happy e a agência de turismo CVC.

A retomada do investimento pelo fundo americano, em parceria com o GIC, seria uma forma também de captar sinergias com a rede D’Or, em que ambos são sócios, segundo apurou o Estado.

Ontem, já na esteira dos comentários sobre as negociações, as ações da Qualicorp encerraram em alta de 3,44%, a R$ 21,35. Ao longo do pregão, os papéis da companhia chegaram a subir até 5%.

Onda de investimento. O interesse pela Qualicorp também teria relação com a expectativa de retomada de investimentos no Brasil. A mudança é esperada para os próximos meses, como reflexo de sinais de recuperação da economia e perspectivas de crescimento para 2017.

Ativos de infraestrutura, além dos segmentos de educação e saúde, estão entre os principais alvos de fundos de private equity (que compram participações em empresas).

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Cingapura Brasil Ri Happy

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.