Divulgação
Divulgação

Fusões e aquisições devem crescer, apesar da desaceleração econômica

Executivo da Intralinks afirma que há demanda reprimida por fusões e aquisições, pois empresas precisam se capitalizar

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2015 | 16h50

Apesar do pessimismo em relação aos rumos da economia brasileira, as operações de fusões e aquisições devem voltar com mais força a partir do terceiro trimestre, segundo Claudio Yamashita, diretor-geral da Intralinks, no Brasil, que divulga o indicador Deal Flow Predictor (DFP) para mensurar transações no mercado.

Pesquisa da Intralinks mostra que 62% dos executivos ouvidos no País estão pessimistas mas, mesmo assim, 36% esperam participar de mais negócios nos próximos meses. Outros 33% esperam que o volume total de operações no mercado também aumente.

"Há uma demanda reprimida e muitas empresas precisam se capitalizar", disse Yamashita. O DFP, da Intralinks, é um indicador para o mercado futuro de fusões e aquisições, feito com base no rastreamento dos estágios iniciais dessas transações de negócios pelo mundo, que consegue prever com seis meses de antecedência os acordos antes de seu anúncio público.

Mais conteúdo sobre:
negócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.