Fusões e aquisições recuam 38% e somam R$ 32,7 bi no 1º tri

Segundo a Anbima, foram realizadas ao todo 24 operações no período, ante 35 que ocorreram nos primeiros três meses do ano passado

Vinícius Pinheiro, da Agência Estado,

26 de maio de 2011 | 18h27

As operações de fusões de aquisições no mercado brasileiro totalizaram R$ 32,7 bilhões no primeiro trimestre deste ano, o que representa uma queda de 38% em relação ao mesmo período de 2010, de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Foram realizadas ao todo 24 operações, uma redução de 31,4% na comparação com os 35 negócios anunciados nos três primeiros meses do ano passado.

Em nota, o presidente do Subcomitê de Fusões e Aquisições da Anbima, Bruno Amaral, credita a redução a um movimento normal e esperado após dois semestres consecutivos de atividade recorde. "O mercado continua aquecido e o ritmo de anúncios deve observar uma rápida recuperação ao longo do ano de 2011", diz Amaral, no comunicado.

Entre os destaques no período está a incorporação da Vivo pela Telesp (Telefônica), que movimentou R$ 11,3 bilhões. O segundo maior negócio foi a aquisição pela Ensco de participação na Pride Internacional, com volume de R$ 5,5 bilhões, seguido pela venda da participação da Ashmore Energy na Elektro para a Iberdrola, por R$ 4,8 bilhões.

Conforme a Anbima, os negócios com volume superior a R$ 1 bilhão responderam por 88,6% das operações no trimestre. O volume de aquisições de empresas brasileiras por estrangeiras respondeu pela maior parte das operações, com 49,2% do total dos negócios - o equivalente a R$ 16,1 bilhões.

O Santander liderou o ranking entre as instituições financeiras que assessoram operações de fusões e aquisições no primeiro trimestre deste ano, com volume de R$ 13,474 bilhões, seguido por Goldman Sachs e HSBC, ambos com R$ 11,272 bilhões. Em número de negócios, o líder no trimestre foi o Itaú BBA, com 7 operações, à frente de Bradesco BBI (4) e BTG Pactual, JP Morgan e Santander, empatados com 3 negócios cada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.