G-7 quer plano sólido para credores privados em ajuda à Grécia

egundo fonte, o grupo discutiu preocupações sobre a possibilidade de a crise grega afetar outros membros da zona do euro

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de junho de 2011 | 08h46

Uma teleconferência entre os líderes do G-7 no fim do domingo tratou da situação política da Grécia, do risco de contágio e dos planos para a participação dos credores privados do país em um novo pacote de resgate, afirmou uma autoridade da zona do euro. A autoridade informou que alguns membros do grupo "pediram um plano mais sólido com relação à participação dos credores privados".

Segundo a fonte, o grupo discutiu preocupações sobre a possibilidade de a crise grega afetar outros membros da zona do euro e sobre a capacidade do governo grego de aprovar e implementar com sucesso um severo pacote de austeridade no fim de junho - o que é um pré-requisito para qualquer nova assistência para Atenas.

Em um comunicado divulgado ontem após se reunirem, os ministros de Finanças da zona do euro disseram que concordaram em "buscar o envolvimento voluntário do setor privado na forma de rolagens informais e voluntárias da dívida grega existente".

"O pensamento original era que cerca de 30 bilhões de euros do novo pacote para a Grécia viriam da participação dos credores privados, mas a linguagem usada no comunicado nem um pouco sugere que tal montante é viável. Em essência, diz: se (o credor privado) tem vontade, por favor nos ajude individualmente", declarou a fonte.

Natalie Wyeth, uma porta-voz do Departamento do Tesouro dos EUA, confirmou que uma teleconferência foi realizada ontem, mas não quis fornecer maiores detalhes. Segundo uma fonte da zona do euro, durante a teleconferência os EUA pediram uma rápida solução para a crise grega.

A Grécia recebeu um pacote de ajuda de 110 bilhões de euros no ano passado dos parceiros da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) para evitar um default. No entanto, houve pouco progresso nas finanças do país e um segundo resgate - que poderia alcançar 100 bilhões de euros ou mais - está sendo discutido.

Em troca de uma nova ajuda, a Grécia prometeu aprovar e implementar mais 28 bilhões de euros em medidas de austeridade que incluem mais cortes de gastos e novos impostos. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.