Gafisa dá início a estudos para separação da Tenda

O grupo Gafisa (formado pelas incorporadoras Gafisa e Tenda, além da participação de 30% na loteadora Alphaville Urbanismo) dará início a estudos com o objetivo de separar Gafisa e Tenda, dando origem a duas companhias abertas e independentes. De acordo com comunicado divulgado nesta sexta-feira, 7, ao mercado, a operação tem o aval do Conselho de Administração e se justifica porque as empresas têm perfis estratégicos, operacionais e de estrutura de capital distintos.

CIRCE BONATELLI, Agencia Estado

07 de fevereiro de 2014 | 08h48

O grupo considera a Gafisa uma operação já estabelecida, que atua no lançamento e construção de projetos residenciais para consumidores de média/alta renda em São Paulo e no Rio de Janeiro. O cenário é diferente da Tenda, que recentemente reiniciou seus lançamentos dentro de um novo modelo de negócios, com atuação dentro do programa Minha Casa, Minha Vida. "As empresas apresentam baixa sinergia entre suas operações", diz o comunicado.

Com a separação das empresas, a expectativa é permitir aos acionistas alocar recursos com maior visibilidade sobre a performance isolada das empresas e de acordo com seus interesses e estratégias de investimento. Além disso, o grupo busca permitir às duas companhias responder de forma mais ágil às oportunidades em seus mercados alvos. Outro ponto visado é estabelecer estruturas de capital sustentáveis, com base em seu perfil de risco.

Mudanças na administração

O Conselho de Administração aprovou a divisão das estruturas administrativas, criando duas companhias operacionalmente independentes. A primeira fase deste processo de transição será liderada pelo presidente da Gafisa, Alceu Duílio Calciolari. Esta fase deve durar aproximadamente 90 dias, sendo que o executivo deixará o cargo após este período.

Sandro Gamba, atualmente diretor executivo de Gafisa, será o novo presidente da Gafisa, e Rodrigo Osmo, atualmente diretor executivo de Tenda, comandará a Tenda.

Calciolari ingressou na companhia no ano 2000 como diretor Financeiro. Assumiu a presidência em 2011 e desde então liderou os processos de reestruturação, após o grupo sofrer com atrasos de obras e estouros de orçamentos. A readequação incluiu a venda de 70% de Alphaville e a redefinição dos negócios.

Gamba ingressou na Gafisa como estagiário em 1995, tendo atuado na área de Operações, na sequência como diretor de Novos Negócios e diretor de Negócios regional São Paulo antes de assumir sua atual função. Rodrigo Osmo se juntou à Gafisa em 2006, tendo atuado como diretor de Desenvolvimento de Negócios, diretor superintendente de Alphaville e diretor Financeiro antes de assumir sua atual função. André Bergstein continuará como diretor Financeiro da Gafisa.

Conclusão

Para elaboração dos estudos, o grupo contratou o banco de investimento Rothschild (o mesmo que atuou na venda da fatia majoritária que Gafisa detinha em Alphaville) e a consultoria empresarial Integration.

De acordo com o comunicado, o Conselho de Administração espera avaliar os estudos para a separação de Gafisa e Tenda nos próximos meses, analisando possíveis alternativas de como realizá-la, sob diversos aspectos, inclusive societários e fiscais. Se aprovado pelo conselho, o plano de separação será submetido aos acionistas em assembleia geral.

Caso aprovado o plano, a operação poderá ser concluída ao longo de 2015, com o registro da Tenda na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) como companhia aberta autorizada a negociar suas ações no mercado e a sua listagem no Novo Mercado da Bovespa. Atualmente, ela tem registro na categoria, não autorizada a negociar ações.

Tudo o que sabemos sobre:
GafisaTendaseparação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.