Gasolina segue mais competitiva em 24 Estados e no DF

Uso do etanol compensa apenas em Goiás

Gustavo Porto, da Agência Estado,

21 de novembro de 2011 | 19h27

Os preços da gasolina seguem mais competitivos que os do etanol em 24 Estados brasileiros e no Distrito Federal, de acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), compilados pelo AE Taxas, da Agência Estado, referentes à semana passada. Já o preço do álcool segue mais vantajoso que o da gasolina para os consumidores de Goiás. Em Tocantins é indiferente o uso de um ou outro combustível.

 

A vantagem do etanol é calculada considerando que o poder calorífico do motor a álcool é de 70% do poder nos motores à gasolina, ou seja, o motorista tem vantagem econômica com o preço do combustível de cana até esse porcentual do valor cobrado nos postos pelo derivado de petróleo. Para efeito de cálculo, quando a relação entre 70% e 70,5% é considerada indiferente a utilização de etanol ou de gasolina no tanque.

 

Em Goiás, único Estado no qual o etanol tem competitividade, a paridade com a gasolina é de 68,39% do valor médio da gasolina. Na semana passada, os consumidores goianos pagaram R$ 1,958, em média, pelo preço do álcool e R$ 2,863 pelo da gasolina. Em Tocantins, onde há estabilidade, a proporção é de 70,2%, com o etanol a R$ 2,061 e a gasolina a R$ 2,936 o litro, em média.

Em São Paulo, que concentra quase 60% do consumo de etanol, a proporção está em 71,5%, com o preço médio de R$ 1,894 para o combustível de cana-de-açúcar e de R$ 2,649 para o de petróleo. A gasolina está mais vantajosa principalmente em Roraima, estado no qual a paridade com o etanol chegou a 87,87%. Lá, o preço da gasolina custa, em média, R$ 2,812 o litro, de acordo com a ANP e o etanol, R$ 2,471. Em Santa Catarina, a paridade foi de 86,75% e no Piauí atingiu 86,35%. No cálculo, são utilizados valores médios coletados em postos em todos os estados e no Distrito Federal.

Preços

Os valores médios do etanol hidratado subiram em postos de 13 Estados brasileiros e nos do Distrito Federal na semana passada. Houve queda nos preços em nove Estados e em outros cinco - Amapá, Ceará, Rio Grande do Sul, Rondônia e Tocantins - os valores médios ficarem estáveis.

 

A alta semanal média nos postos brasileiros avaliados pela ANP foi de 0,20%, para R$ 2,025, o litro, o que levou o etanol a 73,88% dos R$ 2,741 cobrados pelo litro da gasolina no País. Em um mês, a alta acumulada do etanol na média brasileira chega a 1,25%.

 

A maior alta nos preços do etanol, de 0,894%, foi nos postos da Paraíba. De acordo com os dados apurados pela ANP, o preço médio do litro do etanol naquele Estado variou de R$ 2,124 para R$ 2,1434 na semana passada e chegou a 83,81% de paridade com a gasolina, que custa, em média R$ 2,557.

Em São Paulo, maior produtor nacional do combustível, o preço aumentou 0,424% na semana passada e acumula alta de 1,99% no mês. O litro do hidratado nos postos paulistas ficou em R$ 1,894, em média, na última semana, ante R$ 1,886 na semana anterior.

 

Mesmo com as altas, o valor médio do etanol em São Paulo ainda é o menor entre todas as unidades da federação. O preço médio máximo foi de R$ 2,51 por litro, no Acre. O menor preço em um posto também foi no Estado de São Paulo, de R$ 1,56 por litro e o maior foi registrado também no Acre, de R$ 2,93 por litro.

 

Tudo o que sabemos sobre:
etanolgasolinacompetitividade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.