GE gastará US$ 23,5 mi para encerrar caso de suborno

A General Electric (GE), que atua em áreas como geração de energia e fabricação de eletrodomésticos, aceitou pagar US$ 23,5 milhões em um acordo com a Securities and Exchange Commission (SEC, a CVM norte-americana), que acusou o conglomerado industrial de estar envolvido em um esquema de propina de US$ 3,6 milhões com agências estatais do Iraque. A SEC afirmou que duas subsidiárias da GE e duas outras empresas abertas que foram adquiridas pela companhia fizeram pagamentos ilegais ao Ministério da Saúde e ao Ministério do Petróleo do Iraque. Os pagamentos incluíram dinheiro, equipamentos de informática, suprimentos médicos e serviços.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

27 de julho de 2010 | 15h34

O objetivo do suborno era obter contratos para fornecer equipamentos médicos e de purificação de água dentro do programa "Petróleo por Comida", da Organização das Nações Unidas (ONU). O esquema de propina durou de 2000 a 2003. A GE concordou em fazer o pagamento à SEC sem admitir ou negar as acusações.

Em comunicado, a companhia afirmou que a SEC identificou 18 contratos sob o programa da ONU que não foram contabilizados ou controlados adequadamente, 14 deles envolvendo negócios que não pertenciam à GE na época. Os outros quatro contratos são relacionados às unidades de Cuidados com Saúde da GE na Europa. O pagamento à SEC compreende US$ 1 milhão em multa e US$ 22,5 milhões em lucros mais juros que as subsidiárias obtiveram com as transações, segundo a GE. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.