Geithner defende reforma da supervisão contra novas crises

Governo dos Estados Unidos propõe mudanças na supervisão do mercado financeiro para solucionar brechas

Danielle Chaves, da Agência Estado, e Dow Jones,

15 de junho de 2009 | 12h31

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, afirmou que a proposta do governo de reforma da supervisão do mercado financeiro pretende solucionar brechas do velho regime e garantir que crises como a atual não aconteçam novamente. "É verdade que se quer ter um sistema no qual as novidades sejam ricas e saudáveis", mas "nós não balanceamos corretamente" as regras e a tomada de risco nos últimos anos, disse Geithner.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

"Nós não vamos voltar para onde estávamos", acrescentou o secretário do Tesouro. "O único caminho para um sistema mais estável será mais capital no sistema e maiores limites para a tomada de risco, aplicados mais uniformemente", afirmou. O secretário do Tesouro disse reconhecer que isso pode ser feito sem uma excessiva limitação do sistema financeiro. "Nós não teremos o equilíbrio perfeito", mas a reforma pode ser cumprida "sem privar a economia dos benefícios da inovação financeira".

 

Geithner fez os comentários nesta segunda-feira, 15, em um evento em Nova York, na esteira da reunião dos ministros de Finanças do G-8, realizada no fim de semana. Na reunião, as principais autoridades financeiras do mundo discutiram meios pelos quais suas nações podem começar a encerrar os vários esforços de estímulo econômico e os resgates de bancos feitos durante a pior crise financeira desde a Grande Depressão.

 

O governo dos EUA está embarcando em um esforço para realizar uma reforma do sistema regulatório financeiro norte-americano. Muitos acreditam que o excesso de órgãos regulatórios, somado a políticas ineficazes, foi um importante fator que colaborou para a crise do setor financeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.