Geithner diz que Lagarde e Carstens são bons nomes para FMI

Segundo ele, os EUA devem decidir posteriormente qual será seu candidato

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

25 de maio de 2011 | 11h51

O secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, disse nesta quarta-feira que o presidente do Banco Central mexicano, Agustín Carstens, e a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, são dois candidatos "muito dignos de crédito" para o comando do Fundo Monetário Internacional (FMI). Segundo ele, os EUA devem decidir posteriormente qual será seu candidato.

Geithner enfatizou que o processo para a escolha do próximo diretor-gerente do FMI deve ser aberto e refletir a mudança na distribuição do poder desde a fundação da instituição, após a Segunda Guerra. "Nós temos trabalhado não apenas com as economias emergentes, mas também com a Europa para garantir que mudemos a estrutura administrativa a fim de refletir melhor a realidade do equilíbrio de poder no mundo hoje", afirmou Geithner, durante um fórum organizado pelo site norte-americano Politico. "Parte disso é tentar garantir que haja um processo de nomeação com disputa para essas instituições", acrescentou.

Carstens anunciou sua candidatura na terça-feira, e Lagarde lançou seu nome nesta quarta-feira. O francês Dominique Strauss-Kahn renunciou ao posto mais cedo neste mês, após ser acusado por crimes sexuais nos EUA, onde está em prisão domiciliar.

O FMI deve ter três nomes na disputa até o fim do período de candidaturas, em 10 de junho. Um vencedor deve ser anunciado até 30 de junho.

"Duas pessoas muito dignas de crédito já disseram que gostariam de comandar a instituição", afirmou Geithner. "Nós queremos ver um processo onde podemos observar um candidato capaz de comandar com o apoio mais amplo", avaliou. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGeithnerLagarde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.