Geithner pode deixar cargo após acordo sobre dívida, dizem fontes

Secretário do Tesouro dos EUA teria dito que precisa fazer uma pausa em seu serviço ao governo, depois de lidar com a falências do Bear Stearns e do Lehman Brothers

Renato Martins, da Agência Estado,

30 de junho de 2011 | 17h20

O secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, estuda a possibilidade de deixar o cargo assim que o governo do presidente Barack Obama chegar a um acordo com a oposição no Congresso sobre o limite legal de endividamento do governo, disseram três fontes citadas pela agência Bloomberg. A informação também foi publicada no Wall Street Journal.

Segundo uma das fontes, Geithner ainda não tomou nenhuma decisão final sobre isso.

Geithner, de 49 anos, teria dito a pessoas próximas que precisa fazer uma pausa em seu serviço ao governo, depois de lidar com a turbulência que se seguiu às falências do Bear Stearns e do Lehman Brothers, primeiro como presidente do Federal Reserve Bank de Nova York e depois como secretário do Tesouro. Ele é o único integrante do primeiro escalão da equipe econômica original de Obama que ainda está no cargo.

Segundo o WSJ, a família de Geithner vai se mudar de Washington para Nova York em alguns meses e o secretário pode decidir acompanhá-los em vez de passar a primavera (outono nos EUA) viajando de uma cidade a outra. Ele terá pouco tempo para decidir se permanecerá no cargo porque a Casa Branca quer confirmar quem seria seu potencial sucessor antes de começar a campanha presidencial para 2012.

Geithner assumiu o cargo depois de ser aprovado pelo Senado por 60 votos a 34, em janeiro de 2009. Ele liderou a resposta da administração Obama à crise financeira naquele período, lutou pela aprovação da lei de reforma do sistema financeira e há meses pede para que o Congresso norte-americano eleve o teto de endividamento dos EUA até 2 de agosto para evitar um default do país. As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 20h02) 

Tudo o que sabemos sobre:
tesouroeuaTimothy Geithner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.