Genzyme pode ser vendida, mas não a US$69 por ação, diz presidente

O presidente-executivo da Genzyme, Henri Termeer, afirmou que estaria disposto a vender a farmacêutica, companhia que ajudou a fundar há 25 anos, mas não por apenas 69 dólares por ação.

TONI CLARKE, REUTERS

31 de agosto de 2010 | 18h21

Na segunda-feira, a Genzyme rejeitou uma oferta do mesmo valor, que totaliza 18,5 bilhões de dólares, de sua concorrente francesa Sanofi-Aventis. Termeer espera que isso leve a uma série de negociações, o que pode demorar vários meses.

Termeer afirmou em entrevista à Reuters nesta terça-feira que há uma "boa probabilidade" de que o acordo eventualmente aconteça, dado as "necessidades estratégicas" das duas companhias. Mas ele acrescentou que "é preciso ter um ponto de partida razoável para as negociações".

"A companhia não está a venda por 69 dólares por ação", disse o executivo. "Um acordo só será feito quando o valor estratégico da empresa for reconhecido".

Termeer não quis citar um valor para o que considera "um ponto de partida razoável", ou se para isso, iria dar á Sanofi acesso a seus balanços.

Fontes já haviam afirmado à Reuters que a Genzyme busca uma oferta de no mínimo 75 dólares por ação.

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASGENZYMEVENDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.