Daniel Teixeira/ Estadão - 31/10/2019
Daniel Teixeira/ Estadão - 31/10/2019

Programa de diversidade da Gerdau já tem adesão de mais de 200 fornecedores da empresa

A empresa admite que o caminho é ladeira acima: siderúrgica tem como meta de longo prazo chegar aos 12 mil fornecedores da companhia; no futuro, contratos podem ser decididos por metas de inclusão

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2022 | 05h00

Com um plano de ampliar a presença de minorias dentro e fora da companhia, a siderúrgica Gerdau chegou a 203 fornecedores que aderiram ao seu programa de incentivo à diversidade. Chamado de Inspire Gerdau e criado há um ano e meio, o projeto quer alcançar todo o ecossistema do conservador setor do aço para demonstrar – e cobrar – a importância da inclusão de negros, mulheres e LGBTQIA+.

Apesar de ser um universo pequeno perto dos 12 mil fornecedores que a Gerdau possui, a companhia enxerga o número como um promissor. Esse otimismo também é explicado nos dados vistos em sua pesquisa anual feita com os seus fornecedores. De acordo com o levantamento, houve um avanço de 38% para 45% no quadro de profissionais negros dessas companhias. Para completar, o número de negros na liderança saiu de 23% para 26% no mesmo período.

Segundo Gustavo Werneck, presidente da Gerdau, é que a adoção de políticas de inclusão funcione, no futuro, como uma nota de corte na hora da contratação de um fornecedor. "O modo como o fornecedor lida com o tema pode vir a ser um fator decisório no momento de definição e continuidade de parcerias", diz Werneck. No entanto, de acordo com o executivo, ainda não existe um prazo para que isso aconteça.

Para Carla Fabiana Daniel, líder global de diversidade e inclusão da Gerdau, mais do que ameaçar com perdas de contratos, o papel da Gerdau deve ser o de ampliar a discussão e o acesso à educação das empresas parceiras. Segundo a executiva, diversas empresas já estão procurando a Gerdau de maneira direta para entender melhor o programa – que, além da consultoria da siderúrgica, também oferece uma série de conteúdos para explicar o tema para funcionários, além de ajudar na criação de metas  internas.

Uma das empresas que foram atrás para entender melhor e decidiram aderir foi a CTG Brasil, forncedora de energia da Gerdau. De origem chinesa, a empresa começou o programa sem nenhuma política de inclusão desenhada e sem dados para entender sua atual demografia. "Antes não perguntávamos orientação sexual e nem religião, mas agora estão criando um censo para também termos uma diversidade maior em todos os sentidos", diz Salete da Hora, diretora de marca, comunicação e sustentabilidade na CTG Brasil.

Quando tiver os dados nas mãos, a companhia estabelecerá as metas, diz a responsável. Por ora, contudo, algumas melhorias estão aparecendo: a empresa contratou 40% mais negros em comparação a outros períodos.

Melhorias internas

Mesmo incentivando o aumento da diversidade em outras companhias, os principais executivos da Gerdau têm como missão aumentar o número de negros e mulheres na liderança. Se não fizerem isso, a cobrança virá no próprio bolso: 20% da remuneração de longo prazo da companhia para a alta liderança está atrelada a metas de sustentabilidade e diversidade.

Uma delas é alcançar a meta de 30% dos cargos de liderança serem de mulheres nos próximos três anos, que foi assumida em 2020. Outra, mais recente, é de ter o mesmo porcentual de negros como chefes - essa, no entanto, ainda não faz parte do plano de remuneração da companhia. "Como é uma meta recente, ainda não foi colocada no plano, mas em breve estará", afirma Carla Daniel, da Gerdau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.