FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO
FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

GM anuncia lançamento de 20 novos carros no Brasil nos próximos 4 anos

Entre as apostas da montadora, que fará aportes de R$ 4,5 bi em três fábricas no País, estão utilitários-esportivos (SUVs), cujas vendas são as que mais crescem no mercado brasileiro

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2018 | 04h00

Após anunciar, neste ano, investimentos de R$ 4,5 bilhões em três fábricas brasileiras, o presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga, revela que vai lançar 20 novos veículos nos próximos quatro anos. A maioria será produzida no Brasil, mas também há modelos que virão da Argentina e de outros países.

+ Produção de veículos sobe 40,4% em abril na comparação com o ano passado

“Muitos desses lançamentos serão SUVs (utilitários-esportivos) e crossovers (carros de passeio com características de utilitário)”, limita-se a informar Zarlenga, sem dar detalhes. “Também teremos 10 séries especiais que estão fora dessa conta.”.

As vendas de SUVs são as que mais crescem no País e dobraram de tamanho de 2010 para cá. Por ter só um produto nacional nesse segmento – a Trailblazer –, a GM dará atenção especial aos utilitários, seguindo estratégia de concorrentes. Essa é uma das apostas da marca para manter-se na liderança do mercado brasileiro, posição que ocupa há 34 meses consecutivos.

+ 'Preço de importado não subirá, mesmo se dólar disparar', diz presidente da Volkswagen

De janeiro a abril a GM atingiu 17% de participação nas vendas de automóveis e comerciais leves, seguida por Volkswagen (15,6%) e Fiat (12,5%).

+ Rota 2030 prevê 15 anos para compensar créditos

Embora Zarlenga não queira antecipar dados sobre os novos veículos, fontes do mercado dão como certa a nova geração do Onix (campeão de vendas há três anos), e do Prisma, além de um SUV compacto na faixa de modelos como Jeep Renegade, Hyundai Creta e Honda HR-V.

As três novidades devem ser fabricadas em uma mesma plataforma que, segundo fontes, está sendo desenvolvida na China, para baratear custos, e será voltada a mercados emergentes.

+ Venda de veículos tem melhor primeiro trimestre desde 2015

Outras apostas são de uma picape pequena no lugar da Montana e uma intermediária, que será produzida na Argentina. Também são esperados substitutos da Spin, do Cruze e da S10, ou seja, uma renovação quase completa da linha atual.

Grande parcela dos investimentos anunciados está incluído no plano de R$ 13 bilhões previstos para 2014 a 2019, mas outra parte deve vir do próximo programa a ser definido futuramente, informa Zarlenga.

A fábrica de Gravataí (RS) receberá R$ 1,4 bilhão em aportes de modernização para produzir novos modelos – hoje, faz Onix e Prisma. A de São Caetano do Sul (SP), de onde saem Onix Joy, Montana, Spin e Cobalt ficará com R$ 1,2 bilhão, enquanto a filial de motores em Joinville (SC) receberá R$ 1,9 bilhão. Não há, no momento, investimentos para São José dos Campos (SP), que faz S10 e Trailblazer.

+ Venda de veículos novos sobe 38,5% em abril

Rota. Segundo Zarlenga, o novo regime automotivo, o Rota 2030, ainda está em discussão e, da forma como está até o momento, “não é muito atrativo”. As empresas poderão aderir ou não ao programa para ter direito ao benefício do desconto em impostos de parte do valor investido em pesquisa e desenvolvimento (P&D).

“Não vamos mudar nosso plano de investimentos (em produtos), mas podemos mudar o plano de investimentos em P&D pois poderemos fazer em outros lugares”, diz o executivo.

Zarlenga também diz estar preocupado com a recente desvalorização do real, num momento em que a empresa começava a recuperar perdas financeiras. “Nenhum projeto foi feito com base no dólar a R$ 3,60 e, se o câmbio se manter nesse patamar vai encarecer principalmente as importações de itens tecnológicos não fabricados no País”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.