GM aposta em retomada na expansão de vendas em 2014

O presidente da General Motors do Brasil, Santiago Chamorro, acredita que o mercado brasileiro ficará praticamente estagnado neste ano, com vendas de cerca de 3,8 milhões de veículos, mas aposta na volta do crescimento em 2014, de 3%. No início do ano, o setor automobilístico estimava alta de 3,5% a 4,5% nos negócios. Nos últimos meses, as projeções oficiais baixaram para 1% a 2%, embora exista quem preveja estagnação ou até uma pequena queda.

CLEIDE SILVA, Agencia Estado

22 de outubro de 2013 | 14h46

Chamorro justifica a previsão de crescimento com base nas projeções de economistas para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014, na casa dos 2% a 3%. A estagnação para este ano é em razão da alta dos juros, volatilidade do câmbio e pressão inflacionária. "Tudo isso faz com que o consumidor tenha menos confiança que no passado", diz.

Depois da campanha do juro zero para toda a linha de veículos, que durou dez dias e terminou na segunda-feira, 21, a GM inicia um novo programa para melhorar as vendas de veículos novos. A marca tem cerca de 17% de participação nas vendas totais de automóveis e comerciais leves e quer manter a fatia.

A empresa passa a oferecer o que batizou de "Plano tranquilidade", que permite o financiamento de 24 ou 36 meses, com juros de cerca de 1% ao mês e entrada a partir de 30% do valor do carro. O resíduo pode ser quitado no fim do contrato ou o cliente pode entregar o carro novo como parte do pagamento e refinancia um outro modelo.

Com a campanha de juro zero, a GM conseguiu reduzir de 45 para 40 dias os estoques das revendas, que estavam em cerca de 65 mil veículos. "Gostamos de ter estoques de 30 a 35 dias, mas 40, 43, 45 dias é alto", admite Jaime Ardila, presidente da GM América do Sul.

A GM estuda um investimento de R$ 2,5 bilhões para desenvolver e produzir um novo veículo no Brasil, mas ainda não definiu o produto. "Está mais difícil ler corretamente quais são as novas tendências do mercado", afirma Ardila.

Tudo o que sabemos sobre:
General Motors

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.