GM e Chrysler devem fechar 3 mil concessionárias nos EUA

Medidas para fechar concessionárias enfatizam a que ponto os efeitos da crise chegou às montadoras

Soyoung Kim e John Crawley, da Reuters, REUTERS

13 de maio de 2009 | 17h23

A General Motors Corp e a Chrysler planejam cortar até 3 mil concessionárias nos Estados Unidos e podem começar a enviar as notificações nesta quinta-feira, afirmaram três pessoas com conhecimento dos planos ainda em desenvolvimento.

É esperado que a GM, que enfrenta um prazo de 1º de junho, imposto pelo governo dos EUA, para se reestruturar ou pedir concordata, envie avisos de término de contratos para até 2 mil de seus concessionárias - um terço das 6 mil, segundo disseram as fontes à Reuters.

Por sua vez, a Chrysler, que pediu concordata em 30 de abril, também avisará até 1 mil de suas 3.189 concessionárias norte-americanas que irá terminar seus contratos de franquia, de acordo com as fontes, que pediram para não serem identificadas uma vez que os controversos planos de fechamento ainda não foram divulgados.

As medidas para fechar concessionárias enfatizam a que ponto os efeitos econômicos da queda de ambas as montadoras - agora operando sob supervisão do governo norte-americano-- se alastraram além de suas sedes em Detroit.

A porta-voz da Chrysler Kathy Graham afirmou que a montadora ainda não divulgou seus planos de fechamento de concessionárias. "Nós não anunciamos nada a esta altura," ela disse. "Ainda não fechamos o processo até o momento", completou.

Já um porta-voz da GM não estava disponível para comentar.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSGMCHRYSLER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.