GM reabre fábrica em dia de novas reuniões com o sindicato

Empresa se reune com sindicato às 11 horas e assembleia com trabalhadores ocorre às 16 horas

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

25 de julho de 2012 | 08h38

A unidade da General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) voltou a funcionar normalmente nesta quarta-feira, 25, informa o Sindicato dos Metalúrgicos da cidade. Ontem, a empresa ficou fechada em meio a negociações com o sindicato sobre o destino de 1,5 mil empregados de um setor da indústria que irá fechar.

Hoje, será retomada uma nova reunião entre a empresa e o sindicato, às 11 horas, no gabinete do prefeito da cidade. Às 16 horas, haverá assembléia com os trabalhadores para explicar o que ficou decidido. Na entrada do primeiro turno na fábrica pela manhã, às 5h30, foi realizada uma assembleia em que foi explicada a situação aos empregados.

"Nesta reunião vamos exigir que a GM aborte qualquer plano de demissão em massa e que o Governo Federal intervenha imediatamente para garantir a manutenção dos postos de trabalho. Temos também uma séria crítica à postura da Prefeitura, que tem sido omissa e até agora não fez absolutamente nada para evitar as demissões", afirma o presidente do Sindicato, Antonio Ferreira de Barros, o Macapá.

A assembleia realizada na tarde desta terça-feira reuniu cerca de 100 trabalhadore, de acordo com o sindicato.

A questão ficou preocupante e o governo já participa do processo. Será o governo federal que intermediará nesta quarta-feira a reunião entre a General Motors e o sindicato.

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o secretário de Relações do Trabalho da Pasta, Manoel Messias Nascimento Melo, participará do encontro para saber quais são as propostas da empresa. Segundo o MTE, a prefeitura da cidade e a Secretaria de Relações do Trabalho do Estado de São Paulo também foram convidados para o encontro desta quarta-feira.

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
GM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.