GM tenta evitar retaliações comerciais entre Brasil e EUA

Executivos da montadora dos dois países querem evitar retaliações, como a que ocorreu com o algodão americano

Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2010 | 20h01

Executivos da General Motors (GM) do Brasil e dos Estados Unidos estão empreendendo esforços para tentar convencer ambos os governos a evitarem retaliações comerciais. O presidente das operações internacionais da GM, Tim Lee, afirmou nesta quinta-feira, 18, a jornalistas brasileiros que a empresa está "trabalhando fortemente neste diálogo". "Espero que os dois países resolvam este conflito de forma amigável, pois o resultado disso não ajuda ninguém e pode ser ruim para o consumidor", disse o executivo.

 

O presidente da GM do Brasil, Jaime Ardila, destacou que trabalha com outras montadoras associadas à Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) neste objetivo. "Nossa preferência é pela negociação. Agora, se a retaliação ocorrer, torcemos para que os veículos não entrem em listas de retaliação", observou.

 

Recentemente, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que o Brasil estava aberto a negociações que evitassem uma retaliação comercial contra os EUA em virtude dos subsídios pagos aos produtores de algodão norte-americanos. Ele declarou, porém, que o País "não poderia se curvar". A Organização Mundial do Comércio (OMC) deu aval ao Brasil a uma retaliação. Com isso, o Brasil pode criar uma lista de produtos oriundos dos EUA a serem sobretaxados.

 

A visita ao Brasil representa a primeira viagem de negócios de Tim Lee desde que este assumiu a dianteira das Operações Internacionais da montadora norte-americana, em dezembro de 2009. Ele chegou nesta quinta e fica até sábado. Segundo a diretoria da GM, não há previsão de encontros com representantes do governo.

 

Lee esteve nesta quinta com funcionários da GM da área de design, que estão desenvolvendo produtos para os próximos dois a três anos. Além do Centro de Design da GM, ele visitou a fábrica de São Caetano do Sul, em São Paulo. Antes de embarcar, ele visitará o campo de provas da GM em Indaiatuba (SP). Depois do Brasil, Lee segue para Equador, Colômbia e Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.