Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Gol mostra surpresa com ‘interesse’ da chilena LAN

Executivos da chilena declararam que a companhia aérea poderia buscar uma parceria com a brasileira Gol caso não seja aprovada sua fusão com a TAM

Silvana Mautone e Beth Moreira, Agência Estado

31 de maio de 2011 | 11h35

A declaração de executivos da chilena LAN, durante o fim de semana, de que a companhia aérea poderia buscar uma parceria com a brasileira Gol, caso não seja aprovada sua fusão com a TAM, foi recebida com surpresa pela companhia aérea da família Constantino. Ontem, a companhia afirmou que não está em negociação com nenhuma empresa aérea e que não foi procurada pela chilena LAN.

Segundo entrevista publicada pelo jornal chileno El Mercurio, o gerente-geral da LAN, Ignacio Cueto, disse que a LAN deve procurar um second best caso a fusão com a TAM seja reprovada. "Podemos ir falar com a Gol, que não sei se estará disponível, mas sua internacionalização não se compara com a da TAM", disse Cueto.

Para analistas do setor de transportes, a declaração do executivo da LAN não passa de pressão para que o Tribunal de Livre Concorrência do Chile (TDLC) aprove a fusão entre LAN e TAM. "Acho pouco provável que a fusão não seja aprovada", afirma um profissional que acompanha de perto o setor de aviação.

Ele lembra que um indicativo seria o fato de o juiz não ter pedido informações adicionais às apresentadas pelas duas empresas em audiência pública no último dia 26. "Além disso, o juiz já afirmou que a decisão sobre o tema deve sair antes de 60 dias, o que é positivo", destaca.

Para o profissional, uma fusão entre LAN e Gol faria menos sentido que uma associação com a TAM. O principal benefício para a companhia aérea chilena é o acesso ao mercado brasileiro, mas ele cita ainda as sinergias entre as duas empresas em viagens de longo curso, o que não aconteceria com a Gol.

Na quinta-feira, foi realizada uma audiência pública em Santiago, em que TAM, LAN, empresas concorrentes e um órgão de defesa do consumidor se manifestaram sobre a união. Se concretizado, o negócio criará a maior empresa aérea da América Latina.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoaviãoGolLANTAM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.