Gol planeja escola própria para formação de pilotos

Abertura de centro próprio seria uma saída para combater a falta de mão de obra no setor 

Silvana Mautone, de O Estado de S. Paulo,

31 de janeiro de 2011 | 22h30

Enquanto se discute no mercado de aviação se há ou não o risco de um "apagão" de pilotos, a Gol estuda a criação de um centro de treinamento próprio para agilizar a formação desses profissionais, a exemplo do que a rival TAM faz há cinco anos. "A ideia é montar um centro de treinamento com dois simuladores", diz Adalberto Cambauva Bogsan, vice-presidente técnico da Gol. A decisão deve ser tomada nos próximos dois meses.

Desde que foi fundada, há dez anos, a Gol realiza o treinamento dos seus pilotos de forma terceirizada no centro da fabricante de simuladores da canadense CAE, em São Paulo. Ele dura seis meses. Segundo Bogsan, com a criação do centro de treinamento próprio, esse prazo deve ser reduzido em pelo menos 45 dias.

Para se ter uma ideia da importância que o treinamento de pilotos representa hoje para uma companhia aérea, basta olhar os dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac): a demanda por voos domésticos no Brasil aumentou 23% em 2010, mas o número de habilitações concedidas para pilotos e copilotos comerciais cresceu apenas 5%.

Nos últimos meses, a Gol contratou 394 profissionais que, atualmente, estão sendo treinados para, até maio, assumirem o posto de copiloto. Isso representa um aumento de quase 30% no quadro de pilotos e copilotos da empresa. É prática comum as companhias aéreas recrutarem apenas copilotos e depois promoverem os mais antigos ao cargo de comandante.

Bogsan não revela qual o investimento necessário para a implantação de um centro de treinamento próprio. "O preço de um simulador varia muito", diz. Mas pode-se afirmar que é um negócio de milhões. Segundo um comunicado divulgado pela matriz da CAE, a venda, em 12 de janeiro deste ano, de cinco simuladores de diferentes versões representou contratos no valor total de aproximadamente US$ 65 milhões.

Opções. Na opinião do engenheiro aeronáutico Jorge Leal Medeiros, professor de transporte aéreo e aeroportos da Escola Politécnica da USP, investimentos como o da Gol são inevitáveis. "As empresas não querem aumentar seus custos, mas não há muita opção. A demanda por pilotos continuará aquecida nos próximos anos."

A TAM oferece treinamento para seus pilotos há cerca de 20 anos. A empresa criou seu próprio centro, com simuladores alugados, em 2006. Só para dar conta da expansão de voos, nos últimos meses a empresa contratou 277 pilotos.

Executivos do setor negam que o mercado enfrente "apagão" de pilotos, mas admitem que hoje não há mais tanta gente disponível. "Não há falta de profissionais, mas já não é tão fácil quanto antes", diz Ruy Amparo, vice-presidente técnico da TAM.

Segundo ele, por causa da demanda, o salário desses profissionais subiu cerca de 30% em termos reais nos últimos quatro anos. Segundo profissionais do setor, o salário de um piloto de rotas internacionais pode chegar a R$ 20 mil, e o de copiloto, a R$ 12 mil. 

Tudo o que sabemos sobre:
Golescolapilotos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.