Goodyear tem lucro acima do previsto e vê crescimento em 2010

A Goodyear Tire & Rubber anunciou nesta quarta-feira lucro trimestral melhor que o esperado, ajudada por reduções de custos e por matérias-primas mais baratas, e previu crescimento da indústria global em 2010.

REUTERS

28 de outubro de 2009 | 11h26

O lucro líquido no terceiro trimestre atingiu 72 bilhões de dólares, ou 0,30 dólar por ação, contra 31 milhões de dólares, ou 0,13 dólar por ação, no mesmo período um ano antes.

Sem considerar itens extraordinários, a Goodyear teve lucro por ação de 0,45 dólar, enquanto analistas em média previam ganho de 0,40 dólar por ação nesta base, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.

A receita declinou 15 por cento para 4,4 bilhões de dólares. Analistas esperavam receita de 4,26 bilhões de dólares.

A Goodyear, maior fabricante de pneus dos Estados Unidos, está em um processo de reestruturação de longo prazo que está eliminando a capacidade de produção excessiva mundialmente para focar em pneus mais caros que conduzem as margens de lucro para cima.

A companhia com sede em Ohio reduziu sua força de trabalho global em 300 vagas no terceiro trimestre, somando cerca de 5.500 cortes na primeira metade do ano. Isso excede a meta anual de demissões da fabricante.

Os negócios da Goodyear na América do Norte, sua maior unidade, apresentaram lucro de 2 milhões de dólares no trimestre, contra prejuízo de 19 milhões de dólares no ano anterior.

As vendas na Europa desabaram 18 por cento, para 1,6 bilhão de dólares no trimestre, enquanto o lucro operacional caiu para 106 milhões de dólares, contra 134 milhões de dólares no ano passado.

As vendas da companhia ficaram sob pressão no ano passado, conforme os cortes na produção da indústria automotiva dos Estados Unidos reduziram as vendas de pneus para montadoras. Além disso, o declínio da economia global afetou a demanda por substituição de pneus.

(Reportagem de Soyoung Kim)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASGOODYEARRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.