Google afirma estar operando como de costume na China

O Google afirmou em um comunicado que está operando como de costume na China, em resposta a relatos de que a gigante da internet estaria paralisando algumas equipes locais após sua ameaça de sair do país. O comunicado foi divulgado uma semana depois do anúncio do Google de que estava considerando abandonar sua ferramenta chinesa de pesquisas e que poderia fechar seus escritórios no país por causa de ataques de hackers. "Nós demos aos nossos funcionários um feriado no dia do anúncio, para que pudéssemos fazer testes e investigações internas para garantir que a rede está a salvo e segura", disse o Google no comunicado. "Os empregados do Google China estão agora de volta ao trabalho e operando como de costume", acrescentou a companhia.

DANIELLE CHAVES,

20 Janeiro 2010 | 19h03

Na semana passada, o jornal Beijing News informou, citando fontes, que os engenheiros do Google na China não tinham mais acesso à base de dados global da companhia e não podiam mais trabalhar. O National Business Daily, também citando fontes, disse que alguns funcionários haviam sido transferidos para o escritório de Hong Kong, enquanto outros permaneceram em Pequim, mas "basicamente sem nada para fazer".

O Google vem afirmando que não está mais disposto a ceder aos censores do país comunista por meio da filtragem dos resultados de busca disponíveis no site google.cn, mas ainda quer negociar com o governo chinês para que encontrem uma solução. Os EUA pediram uma explicação do governo de Pequim e o Departamento de Estado norte-americano disse, na sexta-feira, que um pedido formal será feito "nos próximos dias". Na sexta-feira, um porta-voz do Departamento do Comércio chinês afirmou que as companhias estrangeiras devem "respeitar as leis, o interesse público, a cultura e as tradições dos países em que operam e assumir responsabilidades sociais de acordo com isso". As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
internet, Google, China

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.