Google continua a investir na China e mira Ásia, diz executivo

Companhia continua comprometida com o país asiático mesmo após ter ameaçado sair deste mercado, devido à censura ao seu buscador

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 11h00

Mais de um ano depois de o Google ameaçar deixar a China, colocando em dúvida seus planos de crescimento no maior mercado de Internet do mundo, o gigante de buscas norte-americano afirmou que continua comprometido com o país ao mesmo tempo que volta seus planos de crescimento para o sudeste asiático. Às 10h25 (de Brasília), as ações do Google subiam 0,50% no pré-mercado em Nova York.

Em linha com sua estratégia de expansão no Sudeste da Ásia, o Google afirmou nesta quarta-feira que está abrindo um novo escritório em Kuala Lumpur, o primeiro da companhia na Ásia em quatro anos, depois da empresa abrir escritórios em Cingapura e na Coreia do Sul em 2007.

"Nós estamos vendo um enorme crescimento no sudeste asiático", afirmou o presidente das operações do Google no Japão e na região da Ásia e do Pacífico, Daniel Alegre.

A decisão do Google de abrir um escritório na Malásia ocorre um ano depois de uma disputa da companhia com o governo chinês sobre a censura de resultados de pesquisa do site. A participação do Google na receita do mercado de busca online na China recuou no quarto trimestre do ano passado para 19,6%, de 21,6% no terceiro trimestre, após atingir o pico de 35,6% no último trimestre de 2009, de acordo com a empresa de pesquisa Analysys International.

A participação da Baidu Inc., rival local do Google, subiu para 75,5% no quarto trimestre de 2010, de 73% no terceiro trimestre. No último trimestre de 2009, a participação da companhia era de 58,4%, segundo a Analysys.

O executivo afirmou que o Google ainda está comprometido com a expansão na China e continua a investir "agressivamente" nesse mercado, sem fornecer números específicos ou detalhes.

"Eu posso dizer que nós estamos vendo um crescimento muito positivo na China. Como resultado, esse é um mercado no qual nós continuaremos a investir", acrescentou Alegre. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GoogleChinamercado de internetBaidu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.