Christina Rufatto
Christina Rufatto

"Gostaria de fazer parte da solução", diz Furlan sobre disputa na BRF

Luiz Fernando Furlan, herdeiro da família fundadora da Sadia e atual conselheiro da BRF, lamentou instabilidade política na empresa

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

17 Abril 2018 | 17h53

Apresentando-se como voz independente na disputa societária em curso na BRF, empresa dona das marcas Sadia e Perdigão, Luiz Fernando Furlan afirmou nesta terça-feira, 17, que gostaria de se colocar “como parte da solução” para o conflito entre os principais acionistas da companhia de alimentos.

+ Ações da BRF caem 4,6% com disputa de poder

Furlan, que é herdeiro da família fundadora da Sadia e atual conselheiro da BRF, concorre para ser o novo presidente do conselho de administração em substituição a Abilio Diniz. Ele foi indicado ao cargo na chapa lançada com apoio do próprio Abilio e da gestora Tarpon em oposição à registrada pelos fundos de pensão do Banco do Brasil (Previ) e da Petrobrás (Petros) – a chapa dos dois fundos trazia o nome de Furlan, mas não para o comando do colegiado.

+ Embargo à carne de frango paralisa unidades da BRF

“Não advogo a favor de nenhum lado. Sou independente. Eu, que não tenho ressentimentos, me coloco na posição de pacificar”, afirmou a jornalistas, numa coletiva feita por telefone e convocada pela própria BRF.

Furlan evitou apontar culpados para a situação da empresa – a BRF apresentou prejuízos inéditos em 2016 e em 2017 -, mas afirmou que a “visão financista” se mostrou equivocada na gestão da empresa, em uma referência à administração da Tarpon, que fora apoiada por Abilio. Ao mesmo tempo, ele classificou como “surpreendente” o movimento de Petros e Previ, que em fevereiro deste ano ingressaram com pedido de destituição de todo o conselho da BRF.

“Essa instabilidade que tem acontecido realmente não tem ajudado a empresa”, disse. “Estou comprometido a olhar para frente para ter pessoas que puxem junto, que tenham comprometimento. O passado, paciência, é o passado”, afirmou.

No dia 26 de abril, uma assembleia extraordinária de acionistas irá eleger a nova composição do conselho. A gestora britânica Aberdeen, que tem 5% da BRF, solicitou que a escolha seja feita por “voto múltiplo”.  Assim, os acionistas terão de dividir seus votos entre os nomes dos candidatos às vagas.

+ Indicados pedem para ter nome excluído de chapa de Abilio na BRF

Furlan rememorou aos jornalistas suas credenciais. Ele foi ministro da Indústria no governo Lula, ocupou diversos cargos na Sadia e chegou a presidir o conselho da companhia, ajudando nas negociações para a fusão com a Perdigão, que deu origem à BRF. Co-presidiu, na sequência, o conselho da nova companhia de alimentos criada a partir da união das antigas rivais.

Ele também elogiou a experiência de três executivos convidados por ele para disputar vagas no conselho: Luiza Trajano (dona do Magazine Luiza), Roberto Rodrigues (ex-ministro da Agricultura de Lula) e do consultor Vicente Falconi.

+ Comissão Europeia vai decidir se retoma importação de aves

Furlan também se manifestou a favor da manutenção da atual diretoria-executiva da empresa.

“No fundo, a empresa precisa voltar a crescer. O fundador (da Sadia, Atílio Fontana) dizia que nada substitui o crescimento e nada substitui o lucro. Se uma empresa cresce e tem bom resultado, não tem briga de acionista. Quando falta milho no terreiro, as galinhas se bicam“, disse.

Procuradas, Petros e Previ não quiseram comentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.