Governo adia leilão de energia com biomassa pela quinta vez

O Ministério de Minas e Energiaadiou pela quinta vez, de 30 de julho para 14 de agosto, oleilão de energia de reserva a partir da biomassa decana-de-açúcar. Segundo o ministério, o objetivo é dar maiorprazo para os investidores elaborarem seus projetos.Mais tarde nesta quinta-feira, o presidente da Empresa dePesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, informou que amudança ocorreu devido à alteração no preço-teto do leilão. "Atendendo aos pleitos dos usineiros e dada a importânciado leilão para dar segurança ao setor, decidimos ajustar opreço", disse Tolmasquim a jornalistas após a entrega do 10oprêmio da Associação Brasileira das Distribuidoras de EnergiaElétrica (Abradee). Segundo o executivo, o preço estava estipulado em 56megawatts/hora e agora será de 61 reais megawatts/hora. "Com isso esperamos atrair mais geradores para a disputa eo preço pode cair", completou ele. O adiamento do leilão de reserva é o segundo anunciado pelogoverno esta semana. O leilão de projetos novos de geração deenergia com entrega prevista para 2011 foi transferido de 12para 19 de agosto na quarta-feira. O leilão de reserva funciona como um seguro que asdistribuidoras de energia contratam para colocar no sistemaquando há descompasso entre demanda e oferta prevista. De acordo com Tolmasquim, em declaração feita no início domês, já havia mais de 7,8 mil megawatts inscritos para o leilãopelas usinas de álcool e açúcar que vão oferecer a energiagerada com o bagaço da cana. Desse total, ressaltou, nem todosserão habilitados. Na época, ele avaliou que a bioeletricidade, que hojecontribui com 2 mil megawatts no Sistema Integrado nacional(SIN), iria no mínimo dobrar de peso na matriz energéticabrasileira depois do leilão de reserva. (Reportagem de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.