Governo adia leilão de Jirau para aumentar disputa

O governo brasileiro adiou parao dia 19 de maio o leilão da segunda usina do rio Madeira,Jirau, em Rondônia, que seria realizado em 12 de maio, informounesta terça-feira a assessoria da Agência Nacional de EnergiaElétrica (Aneel). Segundo a assessoria do Ministério de Minas e Energia, opedido de adiamento por uma semana foi feito pela Eletrobrás,que ainda está acertando detalhes dos consórcios que serãocompartilhados entre a iniciativa privada e suas subsidiáriasEletronorte, Eletrosul e Companhia Hidrelétrica do SãoFrancisco (Chesf) para participar do leilão. Até o momento, apenas o consórcio liderado pela Odebrecht eFurnas, do qual participa também a Companhia Energética deMinas Gerais, havia confirmado a participação no leilão. "O objetivo é aumentar a concorrência do leilão parabeneficiar o consumidor", explicou um assessor do ministério. A usina hidrelétrica de Jirau terá capacidade instalada de3,3 mil megawatts e deve gerar 1,906 mil megawatts médios apartir de 2013. O projeto está orçado em cerca de 10 bilhões dereais. Com o adiamento, as inscrições para o evento, que venceriamnesta terça-feira, poderão ser feitas até 12 de maio, informoua Aneel. As garantias serão depositadas no dia 14 de maio. O treinamento da sistemática do leilão ocorrerá no dia 15de maio. A Aneel não soube informar o motivo do adiamento. Até o momento, apenas o consórcio liderado pela Odebrecht eFurnas, do qual participa também a Companhia Energética deMinas Gerais, havia confirmado a participação no leilão. O presidente de Furnas, Luiz Paulo Conde, afirmou ementrevista recente que o seu consórcio apresentaria uma ofertabaixa, assim como fez no primeiro leilão do rio Madeira, paravenda da concessão da usina de Santo Antônio, no qual saiuvencedor. O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE),Maurício Tolmasquim, também afirmou nas últimas semanas que atendência do leilão de Jirau era de ter uma tarifa menor do quea de Santo Antônio, que ficou 35 por cento abaixo do preçoinicial do leilão, ou 78,90 reais o megawatt-hora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.