Governo de SP estuda vender parte da Cesp mantendo o controle

A secretária de Saneamento eEnergia do Estado de São Paulo, Dilma Pena, admitiu nestasexta-feira a possibilite de o governo paulista leiloar apenasparte dos ativos da Companhia Energética de São Paulo e mantero controle da estatal, depois do fracasso do leilão deprivatização, no mês passado. "O governo pode vender só parte, sem vender o controle.Ainda estamos decidindo, mas o governador (José) Serra buscauma alternativa para o bem do povo de São Paulo", disse Dilma ajornalistas durante seminário do PSDB no Rio de Janeiro. Elaestimou em 40 por cento o percentual que poderá ser alienado. O leilão teria fracassado, entre outras razões, segundoDilma, devido ao fato de as duas principais usinas da Cesp,Jupiá e Ilha Solteira, não terem garantia do governo federal derenovação das suas concessões, que vencem em 2015. Recentemente, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão,afirmou que não pretende renovar neste mandato licenças que jáforam renovadas uma vez. A secretária estimou que os ativos da Cesp valham de 18 a20 bilhões de reais. A Cesp tem ainda as usinas de Três Irmãos,Porto Primavera, Jaguari e Paraibuna. ESTADO DE ATENÇÃO Dilma informou também que o sistema elétrico da cidade deSão Paulo se encontra em estado de atenção, em razão das cincoocorrências registradas desde o início do ano e que provocarama interrupção parcial no fornecimento de energia. Segundo ela,a fragilidade do sistema se deve a uma sobrecarga e à falta deinvestimentos nos últimos anos. "O reforço de subestações e de linhas de distribuição podeser de competência dos entes privados, mas não obrigatoriamenteda CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia ElétricaPaulista) e da Eletropaulo . A necessidade de um aumento deinvestimentos passa por concessão, e isso está muito devagar",criticou a secretária. Ela informou que, entre 2001 e 2006, o consumo de energiaem São Paulo aumentou 17,6 por cento. "Porém não foram feitosnovos investimentos para atender a essa demanda crescente",disse. Ela pretende reunir-se na próxima semana como o ministroLobão para apresentar uma lista de 14 obras necessárias parafortalecer o sistema elétrico de São Paulo nas áreas detransmissão e distribuição. Em julho, seis linhas detransmissão em São Paulo devem ser licitadas pelo governofederal. "Estamos em estado de atenção, ocorrências sempreacontecem, sempre fazem parte do sistema, o que preocupa sãoocorrências sucessivas", disse Dilma, que solicitou também àCTEEP e à Eletropaulo que "redobrem" atenções em suasoperações. Para estudar soluções para o problema, foi criado, emcaráter emergencial, um grupo de trabalho que reúne a agênciareguladora do setor, a Aneel, o Operador Nacional do Sistema, aagência reguladora de São Paulo, além da CTEEP e daEletropaulo. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; texto de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.