Governo desiste do processo de abertura de capital da Caixa

Avaliação é que operação seria de difícil execução num ano de economia em recuo e cenário político conturbado

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2015 | 19h44

BRASÍLIA - O governo desistiu da abertura unificada do capital da Caixa Econômica Federal (CEF) por causa das dificuldades em preparar o banco estatal para seguir as exigências das companhias abertas antes de 2016. Além disso, embora no mercado a operação seja vista como positiva, é considerada de execução difícil, principalmente em um ano de retração econômica e de desdobramentos da Lava Jato.

“O IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) tradicional está descartado no curto prazo”, disse uma fonte. Segundo ele, não há qualquer estudo no banco para conduzir o processo unificado neste ano. A informação da desistência foi publicada nesta segunda-feira pelo jornal Valor Econômico

A opção, segundo fontes, é “fatiar” a oferta inicial de ações do banco. Nesse caso, a área que mais renderia seria a de seguros. Fontes na Fazenda acreditam ser possível que a operação da Caixa Seguradora seja tão bem-sucedida quanto a abertura de capital da BB Seguridade. Feito em abril de 2013, o IPO da BB Seguridade arrecadou R$ 11,5 bilhões - o maior volume atingido por uma empresa brasileira desde 2009.

Não há ainda no governo uma estimativa de quanto a abertura de capital da Caixa Seguradora poderia representar para reforçar as contas do governo este ano, num momento em que a equipe econômica enfrenta dificuldade para cumprir a meta de superávit primário fixada em R$ 66,3 bilhões, equivalente a 1,2% do PIB.

O valor depende de como o cenário econômico vai reagir às investigações da Operação Lava Jato. O governo acredita que os primeiros resultados do trabalho de ajuste e busca de confiança tocado por Levy devem surtir efeito a partir do segundo semestre deste ano.

A Caixa Seguradora tem como sócios a Caixa (48,21%) e a francesa CNP Assurances (50,75%). Segundo fontes, os franceses já foram informados que o governo quer diminuir a participação da Caixa na empresa, mas eles precisam aprovar essa decisão e o momento atual não é propício para o IPO, ainda mais de uma empresa com participação da União.

No fim do ano passado, a presidente Dilma Rousseff disse que iria trabalhar para abrir o capital da Caixa. O prazo previsto era de, no mínimo dois anos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Caixa Econômica FederalBolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.