Governo diz que situação sobre febre aftosa está tranquila

'Se necessário, iremos reforçar as medidas', disse José Carlos Vaz, secretário do Ministério da Agricultura

Venilson Ferreira, da Agência Estado,

20 de setembro de 2011 | 18h48

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, disse nesta terça-feira, 20, que a situação no Brasil está tranquila em relação ao foco de febre aftosa registrado no Paraguai e que a fiscalização está sendo intensificada na região de fronteira. José Carlos Vaz, secretário-executivo da Pasta, afirmou que as medidas adotadas até o momento são suficientes para impedir a entrada do vírus no território nacional. "Estamos em alerta, com apoio dos governos estaduais e das Forças Armadas. Estamos monitorando e, se necessário, iremos reforçar as medidas", disse Vaz.

Em relação a possíveis barreiras às compras de carnes brasileiras, por conta do foco de aftosa no país vizinho, Vaz afirmou que o Brasil não tem competência para influenciar as decisões de outros países, mas tem confiança nos processos de proteção dos rebanhos. Ele não confirmou proibição às compras de carnes e animais vivos do Paraguai.

A ocorrência da febre aftosa no Paraguai foi um dos assuntos discutidos na mesa-redonda promovida pela Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, no auditório do Ministério da Agricultura. O encontro, que contou com a participação de parlamentares e lideranças do agronegócio do Rio Grande do Sul, discutiu a manutenção no Estado do laboratório federal que realiza testes sorológicos de controle de qualidade da vacina antiaftosa.

Segundo o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), o ministro Mendes Ribeiro garantiu durante o encontro que o laboratório continuará no Rio Grande do Sul e que receberá mais investimentos em pessoal e equipamentos. Ele explicou que havia interesse das indústrias de vacinas de transferir parte das atividades do laboratório para outros Estados, por causa de problemas logísticos. Lorenzoni disse que a solução encontrada foi a utilização de uma área do Exército que fica próxima a Porto Alegre, onde serão confinados os animais para coleta do soro.

Em relação ao foco de aftosa registrado no Paraguai, Onyx Lorenzoni afirmou que durante a reunião realizada hoje, o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Francisco Jardim, comunicou que os técnicos brasileiros estão em alerta máximo e que o Brasil está monitorando e bloqueou toda fronteira. O deputado disse que está tranquilo, pois a cobertura vacinal no Brasil é boa. "Temos que certeza que o problema vai ficar do outro lado da fronteira", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
agronegociofebre aftosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.