Governo do Japão aprova estratégia de crescimento de longo prazo

O plano tem por objetivo acelerar o ritmo da reconstrução após o terremoto seguido de tsunami e a disputa para garantir uma taxa de crescimento econômico médio anual de 3%

Patrícia Braga, da Agência Estado,

30 de julho de 2012 | 10h03

O governo japonês aprovou hoje uma estratégia de médio e longo prazo para promover o crescimento e corrigir a saúde fiscal do país, que promete usar tudo que for necessário para conter o fortalecimento do iene e tendência deflacionária do país.

O plano, a ser aprovado na reunião do Gabinete amanhã, tem por objetivo acelerar o ritmo da reconstrução após o terremoto seguido de tsunami e a disputa para garantir uma taxa de crescimento econômico médio anual de 3% e uma taxa de crescimento real de 2% no ano fiscal de 2020.

A Estratégia de Revitalização do Japão foi compilada pelo conselho de estratégia nacional do governo, chefiado pelo primeiro-ministro Yoshihiko Noda, e tem como foco 38 pontos importantes que cobrem 11 campos, incluindo o meio ambiente, finanças, saúde m turismo e comércio. O governo e o Partido Democrata do Japão planejam alocar cerca de um trilhão e ienes no Orçamento do ano fiscal de 2013 para financiar a estratégia de recuperação

Para conter a deflação, o governo pedirá ao Banco do Japão para manter medidas de política monetárias flexíveis.

A estratégia também prevê que o governo tome medidas decisivas contra a volatilidade excessiva do iene nos mercados, quando necessário, com base no argumento de que essa volatilidade representa um fator adverso para a estabilidade econômica e financeira.

O último plano de revitalização foi compilado com base na "nova estratégia de crescimento" criada há dois anos na administração do primeiro-ministro Naoto Kan. Entretanto, das 400 políticas listadas na estratégia anterior, menos de 10% foram confirmadas como prováveis de terem resultados tangíveis. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.