Governo eleva previsão de criação de empregos em 2010 para 2,5 mi

Estimativa anterior do Ministério do Trabalho era de 2 mi de postos; se previsão atual for confirmada, será um recorde histórico

Célia Froufe, da Agência Estado,

30 de abril de 2010 | 18h19

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, aproveitou a proximidade da comemoração do Dia do Trabalho, neste sábado, 1º, para anunciar a elevação da sua previsão para criação de empregos no Brasil este ano. De acordo com nota do ministro divulgada no site do Ministério do Trabalho, o País poderá registrar a geração de 2,5 milhões de postos formais de trabalho no ano. Se for confirmada a estimativa, será um recorde histórico. Até então, o ano que registrou a maior quantidade de novas vagas de trabalho com carteira assinada foi em 2007 com 1,617 milhão vagas formais.

 

No início do ano, o ministro projetava a marca de 2 milhões de novas vagas em 2010 e, mais recentemente, já falava em "mais de 2 milhões" sem precisar de quanto seria esse diferencial. No último encontro com jornalistas de Brasília, há aproximadamente 15 dias, Lupi chegou a dizer que só faria alterações ao final do primeiro semestre, quando tivesse uma base de dados mais sólidas a respeito do comportamento do mercado de trabalho em 2010.

 

Na nota do Ministério do Trabalho, o ministro ressaltou que foram criados 12 milhões de empregos formais no País nos últimos sete anos, o que já é um recorde nesse período de avaliação. "No ano passado, mesmo com a crise internacional, mais um milhão de brasileiros conseguiram emprego com carteira assinada. Por isso estou convicto de que fecharemos o governo Lula com mais este recorde de 2,5 milhões de novos empregos", salientou.

 

Reajuste

 

Lupi comentou ainda, na nota, que o País valoriza seus trabalhadores e que prova disso seria o reajuste acumulado de 54% acima da inflação nestes sete anos de governo. "Este número (a projeção de 2,5 milhões) vai coroar o excelente momento para o Brasil", comentou.

 

Para dar mais ênfase a sua nova perspectiva, o ministro salientou que o número de empregos a serem gerados este ano será maior do que a soma dos dois últimos anos, quando foram criados 2,4 milhões de vagas. Ao final dos oito anos do atual governo, serão criados 14 milhões de novos postos de trabalho abertos caso sua projeção seja efetivada. Este montante também é recorde.

 

Dados do Ministério do Trabalho apontam que, desde 2003, foram criados 12,4 milhões de empregos. A nota divulgada à imprensa ressalta que, entre 1986 e 1993, surgiram 2,6 milhões de postos; e que entre 1994 e 2002 (período que compreende a criação do Plano Real e a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) foram gerados 5,5 milhões de postos de trabalho. "Precisamos continuar garantindo os avanços sociais conquistados nos últimos anos, quando conseguimos dividir melhor a renda do país entre os trabalhadores", afirmou o ministro no documento.

 

O ministro está no Rio de Janeiro, onde participará das comemorações do dia do Trabalho. Segundo a assessoria de imprensa do Ministério, amanhã ele também deve comparecer às festividades de 1º de Maio em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.