Governo eleva projeção de crescimento do PIB de 2010 para 6,5%

Estimativa anterior era de alta de 5,5%; revisão contraria declarações do ministro Mantega

Fabio Graner, da Agência Estado, com Reuters,

20 de julho de 2010 | 17h07

O ministério do Planejamento informou nesta terça-feira, 20, a revisão de 5,5% para 6,5% na projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano inserida no relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas da União.

O número previsto para o crescimento do País, que é elaborado pela secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda, contraria as declarações públicas recentes do ministro Guido Mantega, que diz trabalhar com um PIB entre 6,5% e 7%, e do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse que o Brasil não cresceria menos que 7% neste ano.

Também está longe dos 7,3% previstos pelo BC. Até a segunda-feira, segundo apurou a Agência Estado, a projeção de crescimento enviada pela SPE ao ministério do Planejamento era de 6,8%.

De acordo com o relatório bimestral, o cenário previsto para a inflação melhorou. A previsão de inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), passou de 5,5% para 5,2%, e para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI), de 9,14% para 8,68%. A expectativa para a média da taxa Selic no ano passou de 9,19% para 9,60%. Para a taxa média de câmbio, de R$ 1,79 para R$ 1,80.

O governo prevê um crescimento ainda maior para a massa salarial nominal neste ano: 13,95%, ante 12,69% no relatório anterior. Para o petróleo, a estimativa passou de US$ 80,47 para US$ 76,68. O documento oficial do governo incorporou o reajuste de 7,72% para os benefícios previdenciários acima do salário mínimo, que antes estava previsto em 6,14%.

Orçamento

O governo aumentou em R$ 2,5 bilhões a projeção de despesas em 2010, informou o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão nesta terça-feira em sua terceira avaliação bimestral do Orçamento.

Tudo o que sabemos sobre:
PIBjurosSelicinflaçãoPlanejamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.