Governo lança esta semana plano aeroportuário para férias de julho

Uma das medidas determinadas pela presidente Dilma Rousseff para o período é que os principais aeroportos do Brasil ofereçam internet gratuita

Leonêncio Nossa, da Agência Estado,

27 de junho de 2011 | 15h29

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, informou nesta segunda-feira, 27, que o governo anunciará até o final desta semana um plano de contingenciamento para garantir o bom funcionamento dos aeroportos nas férias de julho. O objetivo é evitar atrasos e overbooking. O plano será realizado sob a responsabilidade do ministro da Secretaria da Aviação Civil, Wagner Bittencourt de Oliveira.

Gleisi adiantou que uma das medidas determinadas pela presidente Dilma Rousseff para esse período é que os principais aeroportos do Brasil ofereçam internet gratuita. A ministra disse que o governo pretende implantar internet grátis no início das férias. Se isso não for possível, a ideia é oferecer o serviço ao menos no final do período. A presidente pretende acompanhar diretamente a execução do plano.

"A presidenta Dilma quer internet gratuita nos aeroportos. Se não der no início [do mês], queremos pelo menos que pegue o final de julho", disse, em conversa com jornalistas no Palácio do Planalto.

O plano deve ser finalizado até o começo da próxima semana e está sendo elaborado com a participação da Secretaria de Aviação Civil e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Gleisi

destacou a responsabilidade da Infraero em garantir o bom atendimento aos passageiros. "A Infraero tem que ser responsável pela população que utiliza os aeroportos". A ministra disse que o governo quer também analisar as condições de tomadas para computadores, escadas rolantes e banheiros.

Nesta tarde, a presidenta Dilma Rousseff encontrou-se com o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencout, para discutir o plano.

(Texto atualizado às 19h03)

Tudo o que sabemos sobre:
planoaeroportosgleisi hoffmann

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.