Governo não vai deixar de combater a inflação em ano eleitoral, diz Dilma

Ex-ministra frisou que preços sob controle garantem o valor do salário dos trabalhadores

Gustavo Porto, da Agência Estado,

29 de abril de 2010 | 13h47

A ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, presidenciável do PT nessas eleições, defendeu nesta quinta-feira, 29, a alta nas taxas de juros como forma de combate à inflação. Durante visita à Agrishow, ela afirmou que o governo não vai deixar de atuar no combate à inflação em ano eleitoral.

 

A ministra criticou o PSDB, sem citar nomes, e os governos anteriores, que segundo ela, "fizeram malabarismos no passado em relação à taxa de juros e ao controle inflacionário". E garantiu: "Nós temos responsabilidade com os trabalhadores, com o povo brasileiro e com a estabilidade dos preços. Isso significa que nós não vamos ser complacentes com a inflação em momento algum. Este compromisso é meu também, com a estabilidade que no Brasil foi conquistada a duras penas".

 

Dilma frisou que a estabilidade econômica foi uma das grandes demonstrações de responsabilidade do governo Lula com o povo e o trabalhador brasileiro, lembrando a necessidade de controle da inflação. Para ela, se garante o valor do salário dos trabalhadores quando se garante que os preços não subam.

 

"O Brasil está maduro e ninguém vai ganhar as eleições com o malabarismo que já fizeram no passado, quando sabíamos que as coisas estavam ruins e ninguém tomava providência. Não fazemos isso no governo do presidente Lula.", destacou. E reiterou: "No momento eleitoral se age com coragem, transparência e com as medidas que consideramos importantes para o Brasil crescer." Para ela, o aumento na taxa de juros não vai impactar no crescimento previsto para o PIB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.