‘Governo precisa criar mecanismos anticíclicos para próximas safras’

Ministro da Agricultura defendeu uma parceria com o setor privado para criar mecanismos para ‘uma futura depressão da renda agrícola’ 

Gustavo Porto, correspondente da Agência Estado,

28 de outubro de 2011 | 11h20

RIBEIRÃO PRETO - O ministro interino da Agricultura, José Carlos Vaz, afirmou nesta sexta-feira, 28, que o governo e o setor privado precisam trabalhar já na criação de mecanismos anticíclicos para "uma futura depressão de renda agrícola" nas próximas safras. "A safra atual (2011/2012) sinaliza positivamente, mesmo com margens menores que a anterior, mas precisamos amadurecer os mecanismos anticíclicos, porque provavelmente a 2012/2013 ou a seguinte possam precisar", disse Vaz, durante seminário "Planejamento Estratégico 2012", organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), em Ribeirão Preto (SP).

Vaz afirmou, ainda, que os únicos problemas previstos para a safra 2011/2012, que está em fase de plantio, são uma provável estiagem na Região Sul e ainda um gargalo em relação ao preço do milho. "O milho deve ficar nos preços internacionais e isso impacta o setor de carnes; mas aparentemente conseguiremos conviver com esses entraves", disse.

O ministro interino acrescentou que o governo federal está atento à crise internacional e que "o País que menos sofrerá com isso será o Brasil", pois "a crise é muito mais internacional que nacional". Por fim, Vaz cobrou uma gestão atenta do empresariado para que o País possa retomar o crescimento após a crise. "Não podemos ir devagar demais", concluiu. Vaz permanece interinamente no cargo em função de uma cirurgia no ministro Mendes Ribeiro, que reassumirá em 7 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.