Governo vai cobrar explicação da Gol sobre fim da Webjet

O governo vai tentar interceder na decisão da Gol anunciada na sexta-feira de demitir 850 empregados da companhia aérea Webjet, adquirida em julho do ano passado pela Gol.

AE, Agencia Estado

28 de novembro de 2012 | 10h53

Nesta quarta-feira o presidente da Gol, Paulo Sérgio Kakinoff, e o presidente do Conselho de Administração da companhia, Constantino de Oliveira Júnior, estarão em Brasília para participar de uma reunião com o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC, Wagner Bittencourt, e com o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys, sobre o encerramento das operações da Webjet. Uma comitiva formada por oito ex-funcionários da Webjet foi ao Ministério do Trabalho na tarde de terça-feira pedir a intermediação do governo na tentativa de reverter as demissões.

Em reunião que pretende ter com a empresa, o ministro do Trabalho, Brizola Neto, ?lembrará? à Gol que o setor aéreo será um dos beneficiados pela desoneração da folha de pagamentos, que entrará em vigor em 2013. Mas, segundo fontes, a possibilidade de excluir a Gol da desoneração como sugeriu na segunda-feira o Sindicato Nacional dos Aeronautas, em retaliação ao fim da Webjet, não deve prosperar. O benefício foi concedido para aumentar a competitividade do setor aéreo. Mas, ao contrário das desonerações do IPI, não houve compromisso de manutenção do emprego. O governo, porém, esperava que a Gol considerasse isso antes de demitir. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
GovernoGolexplicaçãoWebjet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.