Governo vai pedir ajuda de hackers para segurança de dados, diz Mercadante

Segundo o ministro, existem mais de 21 bilhões de operações financeiras que transitam na rede no País

Vannildo Mendes, da Agência Estado,

29 de julho de 2011 | 13h57

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, anunciou há pouco que o governo vai procurar a comunidade de hackers para pedir ajuda na construção do projeto Aquarius que se destina a promover segurança cibernética de dados no Brasil. Segundo o ministro, existem mais de 21 bilhões de operações financeiras que transitam na rede no País. O tráfego aéreo também necessita de segurança constante. Em vez de criminalizar os hackers, o governo tentará um acordo para que colaborem na construção desse projeto, que será desenvolvido no Centro de Defesa Cibernética do Comando do Exército.

"Não podemos confundir hackers éticos com os crackers que são piratas destruidores que atuam na rede.Os hackers, ao contrário são colaboradores do País. O que eles querem é mais transparência e mais eficiência do governo. E isso nós também queremos. Eles são jovens talentosos, não podemos criminalizá-los", disse o ministro. "O que eles querem é mais transparência na administração pública e novos instrumentos para a cidadania", acrescentou.

Mercadante informou que haverá nos próximos dias um encontro entre representantes do governo e mais de 300 hackers das comunidades de softwares livres que atuam no País.

Mercadante participou há pouco de reunião com a delegação argentina que acompanha a presidente Cristina Kirchner na visita ao Brasil. Ele informou que um dos assuntos tratados é a construção de um reator multipropósito destinado à pesquisa e produção de radiofármacos (insumos usados no tratamento de câncer e outras aplicações na medicina). Os argentinos são mais avançados nesse campo e ajudarão o Brasil a construir esse reator no complexo de Aramar, em Iperó (SP). 

Tudo o que sabemos sobre:
Mercadantetecnologiahackers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.