Grã-Bretanha quer corte imediato de tarifas para energia limpa

Os governos poderiam não esperar pela conclusão da Rodada de Doha para reduzir as tarifas punitivas para turbinas de energia eólica, aquecedores solares e chuveiros que poupam água, disse uma importante autoridade comercial da Grã-Bretanha nesta terça-feira.

REUTERS

01 de dezembro de 2009 | 09h44

Gareth Thomas, ministro do Comércio no departamento para o desenvolvimento internacional, disse que os países poderiam voluntariamente diminuir as taxas de importação e impostos sobre "bens verdes" para encorajar o negócio de tecnologias favoráveis ao meio-ambiente.

"Por quê segurar agora? Só porque estamos esperando pela conclusão da Rodada de Doha?", disse ele à Reuters durante uma reunião ministerial na Organização Mundial do Comércio (OMC). Os 153 membros da OMC estão tentando chegar a um acordo em Doha, que abrange todas as áreas do comércio global, incluindo alimentos, setores automotivo e bancário, em 2010.

(Reportagem de Laura MacInnis)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSOMCAMBIENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.