Graça Foster acredita em queda no preço do Brent em 2014

A Petrobras avalia que o preço do petróleo Brent deve cair a partir de 2014 até 2018, devido à elevação da capacidade ociosa dos países que fazem parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

ANTONIO PITA E SABRINA VALLE, Agencia Estado

29 de outubro de 2013 | 14h30

"A Petrobras e algumas agências também acreditam que a partir deste ano há uma queda no preço do Brent, que depois se recupera pela diminuição da capacidade ociosa da Opep e pela entrada de produção de outras áreas, como nas águas canadenses e asiáticas", afirmou a presidente da companhia, Graça Foster, nesta terça-feira, 29, durante a conferência OTC Brasil, sobre exploração offshore de petróleo, no Rio de Janeiro.

Ela acredita que o Brasil poderá passar a ter influência sobre o preço do Brent a partir da produção da área de Libra, a depender da velocidade e do ritmo que a Petrobras e o País decidirão imprimir ao setor de óleo e gás e às áreas da partilha (pré-sal).

Preço local

Sobre a nova metodologia de reajustes, Graça afirmou trabalhar "para buscar a convergência de preços internacionais", para retomar "o fluxo de caixa positivo em 2015" e melhorar os níveis de endividamento da companhia.

Graça citou o rebaixamento pela agência classificadora Moody''s, segundo ela, a que classificava a Petrobras com a maior nota entre as agências. De acordo com ela, o rebaixamento foi importante para deixar a empresa em alerta. "É uma motivação para que se busque melhores indicadores.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasGraçaBrent

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.