Grãos: safra recorde da Hungria desafia programa de subsídios da UE

São Paulo, 19 - Pela primeira vez a Hungria, um do novos membros da União Européia (UE), vai entrar na briga por subsídios para a venda de safra recorde de grãos em 2004 dentro do bloco. As safras de grãos de inverno têm sido boas em toda a Europa, depreciando os preços das commodities. A produção na Hungria deverá ser a maior dos últimos 10 anos. Os traders estimam que cerca de 2,5 a 5 milhões de t da produção prevista de 6 milhões de t de trigo e 8 milhões de milho devem ser comercializadas dentro do programa de intervenções do bloco europeu. Até o dia 18 de novembro, os fazendeiros haviam oferecido 1,81 milhão de t para o Escritório de Desenvolvimento Rural e de Agricultura Lajos Soproni Horvath, disse o porta-voz do departamento à Dow Jones. "Todos estão tentando vender para UE porque não há expectativa de o forint moeda húngara desvalorizar no curto prazo", disse Zoltan Fehervari, coordenador de logística da Agrograin Ltd., a maior trading do país. Ele observa que há pouco espaço para a estocagem: a safra de verão ainda está nos silos e, por isso, restam apenas 30% a 40% para estocagem de milho. Outro problema, segundo ele, é que não agrada aos proprietários de silos a estocagem de grão do programa de subsídios porque a UE não garante a retirada do cereal até o início da próxima colheita. O ministro da Agricultura do país Andras Dekany, porém, acredita que eles irão receber o produto porque não terão como esperar até a entrada do grão fora do programa de subsídios da UE. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.