Grécia eleva meta de privatizações em 2011 de € 2 bi para €5,5 bi

Movimento ocorre em meio a expectativas crescentes na Europa de que o país precisará de um novo pacote de ajuda financeira para não declarar default de sua dívida

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

23 de maio de 2011 | 17h50

O governo da Grécia disse nesta segunda-feira, 23, que vai intensificar seu ambicioso programa de privatização de € 50 bilhões, elevando as metas de vendas de ativos neste ano após sofrer intensa pressão de líderes europeus para reduzir sua enorme dívida. O governo grego espera agora levantar até € 5,5 bilhões por meio da venda de ativos até o final deste ano, ante a meta inicial de € 2 bilhões a € 4 bilhões anunciada há algumas semanas.

Após uma reunião de Gabinete, o governo grego disse que irá acelerar a venda de participações em alguns de seus ativos mais valiosos, incluindo um banco estatal, um monopólio de apostas do país, seus dois maiores portos e uma empresa de serviços de abastecimento de água na cidade de Salonica.

O movimento ocorre em meio a expectativas crescentes na Europa de que a Grécia precisará de um novo pacote de ajuda financeira para evitar declarar default de sua dívida. Fontes oficiais de Berlim e outras capitais europeias estão relutantes em conceder mais ajuda para a Grécia sem receber em troca mais concessões do país e exigiram que o governo grego comece a vender ativos estatais.

Economistas comemoraram o anúncio dizendo que a Grécia precisava acelerar drasticamente seu plano de privatização depois de meses de adiamento. Desde que tomou posse em outubro de 2009, o governo socialista da Grécia ainda não vendeu nenhum dos ativos estatais, temendo uma oposição dentro do partido e de poderosos sindicatos trabalhistas do país, um dos seus principais eleitores.

De acordo com o programa revisado, a Grécia buscará imediatamente um comprador para sua participação de 34% no Hellenic Postbank, algo que havia sido originalmente agendado para 2013. Da mesma forma, o governo também tentará vender este ano outra participação de 34% na sociedade grega de apostas desportivas (OPAP), o que estava inicialmente previsto para ocorrer no ano que vem.

O novo programa prever também a antecipação em um ano da venda de participações do Estado na Piraeus Autoridade Portuária, na Thessaloniki Port Authority e na Thessaloniki Water Supply & Sewerage Co. O governo grego controla uma participação de 74% em cada uma dessas empresas.

O governo disse que também vai completar até o final de junho a venda de uma participação de 10% no ex-monopólio de telecomunicações Hellenic Telecommunications Organization (OTA), ao exercer uma opção de venda, que expira no final deste ano. A gigante das telecomunicações alemã Deutsche Telekom já detém uma participação de 30% na empresa e, nos termos de um acordo fechado em 2008, é obrigada a comprar a fatia de 10%, avaliada em cerca de € 400 milhões.

O governo também decidiu estabelecer um novo fundo de riqueza soberana que atuará como uma companhia holding para ativos estatais e propriedades imobiliárias.

Além disso, o governo da Grécia reafirmou sua meta para o déficit em 2011 de 7,5% do Produto Interno Bruto (PIB) e disse que adotará novas medidas de austeridade no valor de € 6,4 bilhões para atingir essa meta.

Até agora, o governo grego expôs cerca de dois terços das novas medidas, mas um pacote final - juntamente com os compromissos futuros para cobrir o período 2012-2015 - deverá ser detalhado na semana que vem. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.