Grécia enfrenta risco de sair da zona do euro, diz BC

Em relatório, autoridade disse que o mais recente pacote de ajuda é a última chance para o país cumprir seu programa de reformas

Danielle Chaves, da Agência Estado,

23 de novembro de 2011 | 08h46

ATENAS - O Banco da Grécia alertou que o país enfrenta o risco de uma saída desordenada da zona do euro e pediu que o novo governo de coalizão grego acelere o ritmo das reformas econômicas.

Em seu relatório prévio de política monetária para 2011, o banco central disse que o mais recente pacote de ajuda de 130 bilhões de euros liderado pela União Europeia oferecido para a Grécia representa a última chance para o país cumprir seu programa de reformas. Em declaração paralela, o ministro das Finanças grego, Evangelos Venizelos, pediu urgência na aprovação do pacote. "Nós temos de nos mover rapidamente", afirmou. "Qualquer atraso eleva o risco de as condições mudarem", acrescentou.

O fracasso em fazer isso levará a "uma trajetória descontrolada de baixa que vai solapar muitas das realizações que têm sido alcançadas nas últimas décadas, vai tirar o país da zona do euro e vai empurrar para trás em muitas décadas a economia, o padrão de vida, a sociedade e a posição internacional grega", disse o banco.

O relatório também apresentou previsões sombrias para a economia da Grécia - que está entrando no quinto ano de recessão. O banco central prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do país terá contração de 5,5% ou mais neste ano, cairá 2,8% em 2012 e não haverá crescimento antes de 2013, quando a recuperação será de menos de 1%.

O banco central afirmou que o governo da Grécia deveria adotar como "objetivo nacional" a meta de gerar superávits orçamentários primários maiores do que os já previstos nos planos atuais e tomar medidas para impulsionar a recuperação econômica. A instituição comentou, ainda, que a dívida pública grega não é mais considerada sustentável. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciabanco centralzona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.