Grécia faz novo acordo com FMI e UE, com mais medidas de austeridade

 Segundo fonte, o acordo foi alcançado após a Grécia concordar em reduzir o rendimento mínimo tributável dos gregos de € 12 mil para € 8 mil

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

24 de junho de 2011 | 08h34

A Grécia fechou um acordo com a União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre um pacote de austeridade de cinco anos, que pode abrir caminho para um novo empréstimo para o país, se o parlamento grego aprovar as medidas, afirmou uma fonte oficial ontem.

"Nós temos um acordo depois que o governo grego concordou com mais cortes de gastos e aumento de impostos", disse a fonte com conhecimento direto das conversações.

Segundo a fonte, o acordo foi alcançado depois que o ministro das Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, concordou em reduzir o rendimento mínimo tributável dos contribuintes gregos para € 8 mil, de € 12 mil anteriormente.

O acordo também dependeu da aprovação grega sobre um imposto especial de crise sobre todos os contribuintes, que irá variar de 1% a 5%, dependendo da renda.

"Existem "alguns pequenos detalhes que precisam ser resolvidos, mas a estrutura básica foi acordada", disse a fonte.

No domingo passado, os ministros das Finanças da zona do euro, disseram que uma pequena missão técnica faria uma visita à Atenas esta semana para acertar os detalhes finais do plano de austeridade.

Ontem, no esboço da declaração do encontro que termina hoje dos líderes da União Europeia, as autoridades europeias ordenaram a "liberação até o início de julho" do novo pacote de socorro para a Grécia e prometeram fazer "o que for necessário" para manter a estabilidade cambial.

"Os chefes de Estado e de governo da zona do euro pediram aos ministros das Finanças para completarem o trabalho sobre esses elementos para permitir a implementação até o início de julho", destacou o documento, fazendo referência a um "financiamento adicional", após o empréstimo de € 110 bilhões concedido no ano passado à Grécia.

Milhares de policiais e bombeiros gregos protestaram ontem no centro de Atenas contra o plano de austeridade do governo, a mais recente de uma série de manifestações realizadas na capital grega.

Carregando apitos e cartazes que condenavam os recentes cortes de gastos, os manifestantes marcharam para o parlamento cantando: "Parem os cortes! Mudem as políticas".

Os policiais e bombeiros estão entre os grupos afetados pelos cortes do governo e viram seus salários serem reduzidos em até 25%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciacrise fiscalUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.