Grécia tem ‘última chance’ para provar credibilidade, diz Eurogrupo

Apesar do alerta, Juncker declarou claramente seu apoio à permanência do país na zona do euro

Clarissa Mangueira, da Agência Estado ,

22 de agosto de 2012 | 14h38

ATENAS - O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, disse que uma extensão do prazo para que a Grécia implemente seu programa de reformas dependerá do relatório da troica de inspetores internacionais, que deverá viajar à Atenas em setembro.

Em entrevista realizada após uma reunião com o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, Juncker alertou que a Grécia enfrenta a "última chance" para provar sua credibilidade aos credores céticos internacionais e da Europa, mas também declarou claramente seu apoio à permanência do país na zona do euro.

"Sobre a extensão do ajuste, isso vai depender das conclusões da missão da troica", disse Juncker. "Eu sou totalmente contra a saída da Grécia da zona do euro", acrescentou, dizendo que a saída do país da moeda comum representaria um "risco importante" para a zona euro.

As declarações de Juncker ocorrem no meio de uma semana de reuniões de alto nível entre Samaras e líderes europeus para discutir a extensão do prazo do programa de reformas do país. Na sexta-feira, Samaras deverá se reunir com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Berlim, e no sábado, com o presidente da França, François Hollande.

Nessas reuniões, Samaras deverá destacar os resultados da Grécia, enquanto pressiona gentilmente por mais tempo para implementar cortes orçamentários.

A coalizão governista da Grécia, formada pelo conservador Nova Democracia, o socialista Pasok e o pequeno Esquerda Democrática, espera que com a ampliação do prazo consiga aliviar a dor do programa de ajuste do país, que está puxando o país para uma espiral de recessão.

Mas isso também significa que os credores internacionais terão de fornecer ainda mais dinheiro para a Grécia, além do pacote de socorro de 173 bilhões de euros que já foi prometido. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaEurogrupocriseEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.