Grécia usa poderes emergenciais para enfrentar greve de lixeiros

A greve da categoria já durava 17 dias, em meio a uma campanha de paralisações contra as medidas de austeridade do governo que serão votadas esta semana

Agência Estado,

18 de outubro de 2011 | 17h03

O governo da Grécia utilizou poderes emergenciais para ordenar que os lixeiros voltem ao trabalho nesta terça-feira, a fim de retirar toneladas de lixo das ruas do país. A greve da categoria já durava 17 dias, em meio a uma campanha de paralisações contra as medidas de austeridade do governo que serão votadas esta semana.

O primeiro-ministro socialista George Papandreou emitiu as ordens de mobilização civil, geralmente usadas apenas em emergências nacionais e raramente para resolver disputas trabalhistas.

A partir da quarta-feira, as centrais sindicais gregas prometem uma greve geral de 48 horas. Os trabalhadores querem atrapalhar a votação das medidas de austeridade no Parlamento, marcada para a quinta-feira.

"As pessoas estão fazendo grandes sacrifícios", disse o ministro das Finanças, Evangelos Venizelos. "Estamos realizando nosso dever patriótico, porque temos de salvar o país", afirmou ele.

O governo grego precisa aprovar as medidas no Legislativo para receber a parcela de 8 bilhões de euros de ajuda internacional, de um pacote total de 110 bilhões de euros. Caso não receba o dinheiro, a Grécia ficará sem fundos em meados de novembro.

As informações são da Associated Press. (Gabriel Bueno)

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciagreve geralcrise global

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.