Greve fecha lojas do Carrefour na Bélgica

Uma greve em protesto contra cortes de empregos provocou o fechamento de um terço dos hipermercados operados pelo Carrefour, a segunda maior varejista do mundo, na Bélgica. A greve, realizada um dia após o Carrefour anunciar que 1.672 empregos serão cortados e 21 lojas desativadas em consequência de nova reestruturação da companhia no país, também levou ao fechamento de um quarto dos supermercados da rede.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

24 de fevereiro de 2010 | 14h50

Foram afetadas 18 das 56 principais lojas do Carrefour e 15 dos 61 pontos de vendas menores, de acordo com o porta-voz da empresa, Lars Vervoort. Ações de greve espontâneas surgiram hoje, mas a representante sindical Irene Petre afirmou que não houve uma convocação organizada.

Os três principais sindicatos belgas farão reuniões amanhã para chegar a um acordo sobre um plano comum, segundo Petre. Além dos cortes de vagas, o Carrefour pretende congelar os salários dos funcionários restantes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.