Grupo Boticário espera crescer ao menos 16% em 2013

O Grupo Boticário anunciou que espera fechar 2013 com faturamento superior a R$ 8 bilhões no varejo. O número representa um crescimento de ao menos 16% na receita da companhia de cosméticos e perfumes na comparação a 2012, quando o faturamento foi de R$ 6,9 bilhões.

AE, Agencia Estado

03 de dezembro de 2013 | 17h46

Em nota, a companhia destacou que 2013 foi um ano de investimentos em infraestrutura e dos primeiros resultados do projeto de expansão que a companhia iniciou em 2012. No texto, o presidente da companhia, Artur Grynbaum, destacou os esforços de consolidação das quatro unidades de negócio do grupo: O Boticário, Eudora, quem disse, Berenice? e The Beauty Box. A companhia tem três marcas ainda jovens. Eudora, de vendas diretas, nasceu em 2011. A marca de maquiagem quem disse, Berenice? e a rede de lojas multimarca The Beauty Box existem desde 2012.

"Foi o ano de consolidar as novas unidades de negócio, que são movimentos muito recentes", disse Grynbaum. "Já começamos a colher resultados positivos dessas iniciativas", completou. Segundo a nota, foram feitos "ajustes estratégicos e importantes" para preparar a estrutura da empresa para o futuro.

O Grupo Boticário anunciou ainda que vai encerrar 2013 com investimentos de R$ 357 milhões em projetos de infraestrutura. Na Bahia, a empresa prevê inaugurar, no próximo ano, uma nova fábrica, em Camaçari, e um centro de distribuição, em São Gonçalo dos Campos. Além disso, abriu em março um centro de pesquisa e desenvolvimento em São José dos Pinhais, no Paraná. No local, há ainda uma nova linha de fabricação de maquiagem e um armazém automatizado de 4 mil metros quadrados.

Os recursos investidos este ano fazem parte do projeto de expansão, anunciado em 2012, que totaliza R$ 650 milhões. "Com as novas estruturas operacionais e de distribuição, tanto na Bahia quanto no Paraná, a capacidade de produção do Grupo Boticário dobra", disse Grynbaum, na nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Boticário2013

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.