Grupo chinês faz alerta sobre importação crescente de minério

As siderúrgicas chinesas sofrerão fortesperdas financeiras a menos que reduzam as importações deminério de ferro no mercado à vista, afirmou a Associação deFerro e Aço da China nesta quarta-feira. O alerta surge próximo ao prazo final, no fim do mês, paraa conclusão das negociações de preços de minério de ferro commineradoras australianas. A preocupação de Pequim é que asimportações crescentes tenham dado vantagem às produtoras deminério. As importações da commodity pela China subiram 20 por centonos primeiros cinco meses de 2008 e mineradoras australianasestão indicando que a forte demanda apoiará suas tentativas deobter preços maiores antes que os contratos de 2008 expirem. "Esperamos que os membros atentem para a situação econtrolem as quantidades e ritmo das importações de minério deferro de acordo com a demanda atual de produção das usinas",disse a associação. Um representante da entidade informou que os estoques deminério nos já congestionados portos chineses aumentarão aindamais se o ritmo de compras se manter. E esses estoques podemcustar caro às siderúrgicas do país ao vincularem capital erisco de perdas elevadas se os preços caírem. "É óbvio. Em primeiro lugar, enormes importações utilizarãomais capital da companhia e elevarão os custos operacionais dasusinas", disse Qi Xiangdong, vice-secretário geral daassociação. "Em segundo lugar, as usinas deveriam julgar a situação deoferta e demanda com cuidado. Se os preços caírem nos próximosmeses, os estoques vão desvalorizar e causar perdas." A associação informou que vê crescimento limitado de preçopara o minério de ferro que chega à China em termos de custo,seguro e frete (CIF, na sigla em inglês), acrescentando que ospreços elevados não representam o verdadeiro quadro de oferta edemanda do maior país produtor de aço do mundo. "A associação provavelmente está preocupada que osoperadores estejam indo ao mercado à vista comprando grandesvolumes, o que está elevando os preços à vista e, portanto,fortalecendo a posição das mineradoras", afirmou John Kemp,economista do RBS Sempra, em Londres. "Está um pouco atrasado agora o alerta, mas isso é umatentativa de desencorajar importações especulativas que possamartificialmente inflar os preços à vista. Pode dar um alívio decurto prazo, mas não mudará muito a dinâmica das negociaçõesdos contratos a termo." Em 1o de abril, a Vale anunciou acordo de preços de minériode ferro com as siderúrgicas chinesas. O reajuste combinado coma mineradora brasileira foi de cerca de 70 por cento, mas asmineradoras australianas querem mais por causa da vantagem defrete que o minério despachado da Austrália tem em relação aoenviado do Brasil.

ALFRED CANG, REUTERS

18 de junho de 2008 | 09h48

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIAIMPORTACOESCHINA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.